“Vamos conseguir trazer Bolsonaro”, diz presidente do Patriota


O presidente nacional do Patriota, Adilson Barroso, disse que o presidente Jair Bolsonaro está prestes a fechar com o partido. Segundo ele, o chefe do Executivo pediu de 10 a 15 dias para organizar a migração da sua base de apoio para a legenda. O dirigente da sigla falou em entrevista ao Poder360 nesta 4ª feira (2.jun.2021).

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

Barroso fez o convite oficial a Bolsonaro na última 3ª feira (1°.jun) no Palácio do Planalto. O encontro foi mediado pelo senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), que se filiou à legenda em 26 de maio.

Adilson disse acreditar que Bolsonaro será reeleito ainda no 1° turno. Afirmou ainda que é “homem de confiança” do presidente e que não houve pedido para comandar o partido.

O presidente Bolsonaro já é presidente da República. Portanto, ele não vai presidir partido, então tem que colocar alguém de confiança”, declarou. E completou: “Ele confia em mim plenamente. Com certeza, se ele tivesse que escolher alguém para ser presidente do Patriota, ele falaria que quer o Adilson Barroso, homem de confiança, ministro partidário”.

Em 8 de março, Bolsonaro disse que uma das condições para se filiar a um partido era ser dono de sua estrutura partidária. “Eu estou namorando outro partido, onde eu seria dono dele, como alternativa se não sair o Aliança, você está entendendo?”, disse.

Assista à integra da entrevista (25min19s):

Para Barroso, o racha que se instalou na legenda nos últimos dias não atrapalha a escolha de Bolsonaro. “O presidente sabe quem está com ele”, disse.

Integrantes da executiva nacional do Patriota entraram com um requerimento no TSE (Tribunal Superior Eleitoral)  na última 2ª feira (31.mai) contra decisões de Barroso. O 1º vice-presidente da sigla, Ovasco Roma Altimari, afirma que o presidente descumpriu a convenção do partido e impôs mudanças para abrigar Jair Bolsonaro e seus filhos na legenda.

O político, que é ambientalista, elogiou a condução da política ambiental do governo. Declarou que o Patriota — sigla enquadrada na centro-direta, segundo ele — será um dos maiores partidos em 2022, depois da filiação de Bolsonaro.

Quem é Adilson Barroso

Adilson Barroso tem 56 anos. Mineiro, com formação técnica em administração de empresas, teologia e gestão ambiental, foi cortador de cana e colhedor de algodão e de amendoim. Em 1988, elegeu-se vereador em Barrinha (SP), sendo reeleito em 1992. Em 1996 e 2000, foi eleito vice-prefeito. Integra a Igreja Evangélica Assembléia de Deus. Em 2002, elegeu-se deputado estadual em São Paulo, pelo Prona, partido de Enéas Carneiro. Nesse ano, Havanir Nimtz foi eleita pelo Prona a deputada estadual mais votada da história com 682.219 votos. Barroso conseguiu 9.928.

Adilson passou por 6 legendas. Em 2018, foi candidato a deputado estadual pelo Patriota. Recebeu 42.717 votos e não foi eleito.

Barroso tornou-se presidente do Patriota, então PEN (Partido Ecológico Nacional), em 2012. Segundo ele, foi o presidente Jair Bolsonaro que sugeriu a troca do nome da sigla para se candidatar à Presidência em 2018. O chefe do Executivo, no entanto, acabou optando pelo PSL (Partido Social Liberal) à época.

Previous Uruguai vai vacinar adolescentes contra a covid-19
Next Meio Ambiente: assessor de Salles alvo de operação da PF é exonerado

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.