Swati Sharma lidera nova era na missão da Vox de “explicar o mundo”


por Hanaa’ Tameez*

Em 2014, Melissa Bell, Ezra Klein e Matt Yglesias fundaram a Vox.com, uma agência de notícias pioneira em jornalismo explicativo.

Depois de 7 anos, 13 podcasts, uma série do Netflix e milhões de leitores, a liderança da Vox estava pronta para mudança. Klein, o último editor-chefe, deixou a agência em 2020 para ingressar no The New York Times como colunista. Yglesias se tornou independente e começou sua própria newsletter na plataforma Substack, a Slow Boring. A vice-presidente sênior e editora-chefe Lauren Willians saiu para co-fundar a Capital B, uma redação de notícias para o público afro-americano. Bell é editora da Vox Media.

Entra Swati Sharma.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

Sharma iniciou na Vox como editora-chefe em março de 2021. É a 3ª pessoa a ocupar a função na agência e a 2ª mulher não branca no cargo. Antes disso, Sharma era editora-chefe da revista The Atlantic, onde supervisionou todas as seções, incluindo política, cultura, tecnologia, ideias, ciência, família, global e saúde. Todas se tornaram ainda mais relevantes em 2020, quando a pandemia do coronavírus devastou cada parte da vida cotidiana como conhecíamos, e a The Atlantic se tornou ainda mais essencial.

Antes de ser editora-chefe da revista, Sharma era vice-editora da publicação. Ela chegou à The Atlantic vinda do The Washington Post, onde era editora de tarefas gerais e também editora digital de segurança nacional e estrangeira.

Nós discutimos os planos de Sharma pra a Vox, a necessidade de diversidade, equidade e inclusão nas redações, e conhecemos sua nova equipe remotamente. A conversa abaixo foi ligeiramente editada para contribuir com o tamanho e clareza da entrevista.

Hanaa’ Tameez: Como tem sido o 1º mês?

Swati Sharma: O 1º mês tem sido realmente maravilhoso. Eu entrei na Vox porque ela tem valores fortes, uma missão clara e, na minha opinião, crucial. E tem sido tão bom falar com as pessoas, colaborar com as pessoas. Tenho tentado aprender sobre a redação e a Vox Media em geral, conversar com as pessoas e entender como as coisas funcionam.

Tameez: Saindo de um ano histórico para a The Atlantic, como você decidiu fazer essa mudança?

Sharma: A questão para qualquer organização de mídia é “Como você torna seu trabalho diferente? Qual a estrela da sua marca?”. Isso é algo que a The Atlantic realmente tentou descobrir –e, eu acho, conseguiu– nos últimos anos, e você vê isso pela cobertura da pandemia. Agora eu estou na Vox, e é a mesma pergunta: qual a estrela da marca?

A resposta será bem diferente da resposta da The Atlantic. Mas eu estou no mesmo processo de aprendizado na Vox, da mesma forma que eu aprendi na The Atlantic e que eu aprendi no The Washington Post, quando eu fazia mais a atribuição geral de reportagens e antes disso, quando eu trabalhava com segurança nacional e notícias internacionais. Eu amo aprender sobre as marcas e descobrir como o trabalho pode ser distinto.

Tameez: Qual você acha que era a estrela da Atlantic? E qual é a da Vox?

Sharma: Eu não quero falar da estratégia [da Atlantic] agora, mas eu acho que nos tivemos alguns dos melhores escritores e uma marca realmente excelente. A Atlantic está aí há 165 anos. Seu papel no momento era ser bem disciplinada e intencional com a cobertura e descobrir quais locais queria ocupar. The Atlantic é conhecida por apresentar argumentos ousados, mas também é conhecida por revelar grandes ideias. Obviamente, isso é quando eu estava lá, e é uma realidade diferente agora, pós-Trump e pós-covid.

Com a Vox, eu estou descobrindo a mesma coisa. A missão principal da Vox é explicar o mundo, adicionar clareza, providenciar todas as informações para capacitar o público e fazer isso de uma forma acessível, inspiradora e útil. Uma coisa em que tenho pensado muito é: como você aprimora a abordagem explicativa da Vox, já que tantos de nossos concorrentes a imitaram amplamente? Muito do meu pensamento é apenas tentar descobrir como podemos tornar a Vox diferente.

Tameez: Quais são algumas das lições da The Atlantic ou de algum momento anterior da sua carreira que você traz para essa função?

Sharma: Eu sou uma mulher não branca e uma forasteira nessa indústria. Sempre que eu começo um emprego, eu me empenho e tento só entender o lugar. As pessoas no comando nem sempre tomam as decisões –há outras que as influenciam. Então eu invisto bastante tempo em entender e apreender sobre a redação. Eu tenho feito isso, seja como produtora júnior ou como editora administrativa. Estou fazendo a mesma coisa agora. Seria ingênuo da minha parte entrar na Vox e dizer “é assim que vamos fazer as coisas agora”. Estou tentando compreender o lugar, e aprendendo eu tenho, é claro, uma visão. Mas ela só fica mais forte à medida que converso com as pessoas.

Tameez: Você está chegando na Vox logo depois do aniversário de 7 anos da agência e da saída de 2 dos 3 fundadores no último ano. O que você acha disso, à medida que avança no seu trabalho?

Sharma: nosso jornalismo é a prioridade para mim. Bom jornalismo, para mim, significa ter uma cultura inclusiva e generosa e uma força de trabalho diversificada. Ter uma ótima cultura de redação significa muito para mim e vai de mãos dadas com um ótimo jornalismo.

Quero que nosso trabalho seja ainda mais distinto e ambicioso do que já é. Eu quero que cada texto seja excelente. De novo, eu continuo usando a palavra “distinto” porque é uma palavra importante para mim neste momento. Quando eu penso sobre o tipo de matérias que eu quero que a gente produza mais, é o tipo de cobertura que façam as pessoas terem conversas que levam a uma mudança real. São histórias que ajudam as pessoas a viverem uma vida melhor, histórias que definem claramente como a cultura que consumimos molda nossa visão de mundo.

Claro que vamos continuar escrevendo com autoridade sobre iniciativas políticas, mas eu quero garantir que nós não estamos escrevendo apenas para aqueles que fazem as leis, mas para as pessoas que efetivamente serão afetadas pelas políticas sobre as quais escrevemos. Eu acho que é muito importante que nossos textos sejam acessíveis. Julia Belluz fez um artigo recentemente sobre pacientes que tiveram a chamada “covid longa”. Ela pegou essa coisa complicada sobre porque as pessoas ainda sentem os sintomas de covid meses [após o diagnóstico] e foi apresentado de uma forma tão clara e acessível. Esse foi um bom exemplo do que a Vox faz.

Eu penso sobre como nossa cobertura também é útil. Dylan Scott tem um texto sobre como não devemos permitir que companhias de seguro cobrem as pessoas pelas vacinas contra covid-19. Nós fornecemos clareza, e parte disso é olhar para os problemas complexos do nosso mundo e fornecer soluções para eles. Kelsey Piper, um dos nossos redatores do Future Perfect, publicou um artigo excelente sobre como desenvolver vacinas antes da próxima pandemia. Acho que é aqui que a Vox está no seu melhor. Quero trazer mais disciplina e intencionalidade sobre o que fazemos de melhor e continuar fazendo mais disso.

Tameez: Como é seu dia a dia como editora-chefe em trabalho remoto? Como você conhece a redação, quando não tem ninguém lá?

Sharma: Tem sido incrível. Na verdade é mais fácil conhecer mais pessoas quando é só no Zoom, você pode continuar agendando reuniões. Essa parte tem sido, de certa forma, uma benção. Eu sou o tipo de pessoa olho no olho e eu amo redações, mas eu também tenho a impressão que tenho conhecido mais pessoas do que conseguiria normalmente.

Eu sou uma pessoa de fluxo de trabalho, de processo; e eu sinto que a única forma de promover mudanças reais é se o fluxo de trabalho e os processos estiverem em ordem. Então eu tenho as reuniões matinais certas, entro em reuniões de equipes e tenho várias reuniões individuais. E eu tenho as estruturas ordenadas, então eu não estou só me reunindo com um monte de gente, mas também entendendo a métrica e analisando as matérias, e também conversando com editores e conhecendo os escritores.

Tameez: Quais são alguns dos desafios em fornecer jornalismo explicativo, em uma época em que as notícias se movem a mil por hora e tudo precisa de uma explicação?

Sharma: Um desafio é manter a consistência em todas as plataformas. A Vox está crescendo rápido e de muitas formas diferentes, então esse é um desafio que precisamos continuar descobrindo como resolver.

E eu também disse isso antes, mas de novo, manter-se diferente é um desafio. Eu acho que a Vox oferece algo muito específico nessa indústria, mas precisamos manter nosso foco.

Outro desafio é o burnout dos jornalistas. Nosso desafio é garantir que temos uma redação solidária e generosa onde as pessoas se sintam vistas, ouvidas e cuidadas.

O último desafio é garantir que temos uma redação diversa e inclusiva. Isso tem que ser uma prioridade, não só para mim, mas para todos os chefes dessa indústria.

Tameez: Como você planeja abordar a diversidade, igualdade e inclusão de formas que tenham sentido e sejam sustentáveis na Vox?

Sharma: Todo mundo está tentando recrutar diferentes tipos de candidatos de diferentes origens. Acho que estamos vendo isso acontecer. Mas uma parte em que eu estou realmente focada é: como ter uma cultura em que pessoas de diferentes origens podem prosperar? É muito fácil para redações ter uma determinada cultura em que certos tipos de pessoas progridem, e eu não quero que isso aconteça [na Vox]. Eu quero que a Vox seja um lugar em que, independente de qualquer coisa, você ainda se sinta visto e você não tenha que se conformar a outras pessoas. Que você realmente possa ser quem você é. Isso é algo muito importante para mim e que eu espero que nós possamos manter.

[Sharma me falou mais sobre isso em um email:

“É importante que líderes de redações compreendam o conceito básico de que seu jornalismo é falho sem uma equipe diversificada e redações inclusivas. Até que a diversidade, equidade e inclusão sejam vistas como parte fundamental do trabalho, nós não seremos capazes de construir as equipes que precisamos. Cada pessoa numa redação precisa enxergar isso como responsabilidade sua. Isso não se reflete apenas pelas contratações, mas também nas pautas, nas coberturas de notícias, contribuições, freelancers, estética, como os artigos são assinados, políticas e mais. E cada pessoa de cada cenário deveria tomar essas iniciativas à sério –isso não deveria ficar a cabo apenas de pessoas não brancas. Ao contratar, é importante avaliar o que você realmente precisa daquele cargo e pensar em contratar pessoas com diferentes currículos, origens e experiências. A redação –e nosso público– serão melhores e mais fortes assim.

Estamos trabalhando para garantir que haja oportunidades de treinamento e mentoria para que pessoas não brancas e de diferentes identidades e experiências tenham igual acesso à orientação, contexto, informações e tomada de decisões. Queremos criar e manter um ambiente na redação onde pessoas de todas as origens sejam vistas, ouvidas e se sintam valorizadas. Existem maneiras concretas de lidar com isso –pense em quem recebe elogios e porquê, quem pode falar nas reuniões, como você estabelece um cenário em que as pessoas se sintam à vontade para participar de conversas, brainstorms e para argumentar.

A gestão é importante e muitas vezes uma característica subestimada no jornalismo. O trabalho de uma redação é tão forte quanto a sua cultura. Os gestores devem verificar sua equipe durante momentos difíceis da cobertura e da vida. Saber quando dizer às pessoas para se afastarem, encorajá-las a tirar uma folga e as capacitar para o trabalho leva a uma cultura e experiência de trabalho melhores.”

Agora, de volta a nossa conversa]

Tameez: Como você planeja medir o sucesso e o impacto do jornalismo da Vox no futuro, e medir seu próprio sucesso e impacto?

Sharma: Se você voltar em um ano e quiser falar comigo sobre como estamos indo bem, será um sucesso. Uma versão diferente, excelente e reconhecível da Vox é meu objetivo. Isso é o que eu quero fazer e é isso que me motiva. Quero empoderar o público com as informações que ele precisa. Quero fazer com que as pessoas tenham conversas que levem a mudanças reais. Eu quero inspirar as pessoas a viverem uma vida melhor. Espero que mais e mais pessoas nos leiam que nosso trabalho ressoe com as pessoas cada vez mais. Isso é sucesso para mim.

 

*Hanaa’ Tameez é redatora da equipe do Nieman Lab. Antes, ela trabalhou na WhereBy.Us e no Fort Worth Star-Telegram.

__

Texto traduzido por Valquíria Homero. Leia o texto original em inglês.

__

Poder360 tem uma parceria com duas divisões da Fundação Nieman, de Harvard: o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports. O acordo consiste em traduzir para português os textos do Nieman Journalism Lab e do Nieman Reports e publicar esse material no Poder360. Para ter acesso a todas as traduções já publicadas, clique aqui.

Previous David Carreira é o novo embaixador do Bacalhau da Riberalves
Next Preocupação com coronavírus aumentou no último mês para 56% dos brasileiros

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.