S&P reafirma nota do Brasil em “BB-” e prevê PIB de 4% em 2021


A agência de classificação de risco S&P (Standard & Poor’s) reafirmou a nota do Brasil em “BB-“, com perspectiva estável. A agência projeta um crescimento de 4% da economia brasileira em 2021 e uma redução gradual do deficit fiscal, mas diz que ainda há riscos no país.

A S&P reafirmou o rating do Brasil nesta 4ª feira (02.jun.2021). Eis a íntegra (292 KB) do comunicado enviado à imprensa.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

“A perspectiva estável reflete nossas expectativas de recuperação econômica em 2021 e de redução gradual do deficit fiscal, o que deve resultar em um ritmo mais lento de acúmulo de dívida nos próximos dois anos, bem como em um desempenho externo sólido”, afirma o comunicado.

O rating dado por agências de risco como a S&P é usado como referência pelos investidores na hora de decidir se vão aplicar recursos no país. Nesta semana, a Fitch também reafirmou a nota do país em “BB-”, mas com perspectiva negativa.

Na avaliação da Standard & Poor’s, a nota do Brasil pode ser rebaixada caso o Brasil apresente “uma persistente fraqueza fiscal nos próximos dois anos”, com o aumento dos gastos públicos e custos mais elevados de dívida e inflação. Por outro lado, o rating brasileiro pode ser elevado caso o país apresenta uma “melhora mais rápido do que o esperado no desempenho fiscal, reduzindo o acúmulo de dívida do governo no médio prazo”.

Para a S&P, o cenário de melhora “poderia resultar de um crescimento mais robusto ou do avanço das reformas estruturais fiscais e de produtividade planejadas”. A agência, no entanto, não espera “um avanço importante em reformas fiscais complexas nos próximos dois anos, dada a dinâmica econômica e política desafiadora” e diz que as “taxas de crescimento do Brasil são inferiores às de outros países em nível semelhante de desenvolvimento”.

Crescimento

A S&P prevê uma alta de 4% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2021. Porém, fala em um crescimento “moderado” de 2,2% entre 2022 e 2024 e alerta para o risco econômico da pandemia de covid-19.

“A longa duração da pandemia gera uma grande incerteza quanto ao desempenho econômico e fiscal do Brasil no curto prazo.  O ritmo de recuperação da demanda doméstica dependerá em grande parte da capacidade das autoridades de distribuir efetivamente a vacina”, afirma a agência.

Fiscal

A S&P afirma que a situação fiscal do Brasil vai melhorar em 2020 por conta da retomada econômica e do fim dos programas emergenciais de covid-19. Porém, afirma que a dívida pública vai continuar crescendo e que “o deficit permanecerá elevado no médio prazo sem reformas fiscais estruturais significativas ou um maior crescimento”.

“A consolidação orçamentária do Brasil ao longo de 2021-2024 provavelmente será lenta, uma vez que a pressão para aumentar os gastos permanece elevada”, afirma a agência. Como possíveis pressão de gastos, a S&P cita a pandemia de covid-19 e a eleição de 2022.

“Enquanto isso, a eleição presidencial em outubro de 2022 gera incerteza em relação às políticas econômicas e fiscais em um cenário político altamente polarizado.  O avanço da consolidação fiscal e das reformas serão um desafio à medida que as eleições se aproximam e os riscos quanto ao curso da pandemia persistem”, diz a S&P.

Previous Na TV, Bolsonaro celebra alta do PIB e defende Copa América no Brasil
Next Cidades em SP montam até barreiras de terra para evitar turistas no feriado

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.