Sem citar Pazuello, Bolsonaro diz que ninguém interfere em punição a militares


O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em transmissão ao vivo nas redes sociais nesta 5ª feira (3.jun.2021), que a punição disciplinar existe nas Forças Armadas, mas, segundo ele, ninguém interfere na decisão do chefe imediato. Não citou em nenhum momento o general da ativa e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

Poucas horas antes do início da live, o Exército havia anunciado a decisão do comandante Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira de absolver o oficial no procedimento que analisou sua participação em ato político com o presidente no Rio de Janeiro (RJ) em 23.mai, depois de um passeio de moto acompanhado por uma multidão de motociclistas.

“Tem juiz que, de acordo com o que a imprensa mostra, o Jornal Nacional, o juiz julga, às vezes, de forma tendenciosa para ele não se queimar”, disse Bolsonaro. “A gente sempre torce para que aquele que vai nos jugar nos julgue com isenção e sem pressões de mídia ou seja lá quem for”, completou.

Ao lado do ministro da Educação, Milton Ribeiro, o presidente usou seu próprio histórico militar como exemplo de processos disciplinares no Exército. Ele lembrou ter sido punido com 15 dias de cadeia no quartel depois de assinar artigo na revista Veja em 1986 criticando o valor do soldo (remuneração paga a militares) à época. Depois, acabou absolvido em conselho de justificação da acusação de planejar um atentado a bomba a adutoras do rio Guandu.

Apenas dois dias antes da primeira e única manifestação oficial do Exército sobre a participação de Pazuello no ato no Rio de Janeiro, na última 2ª feira (1.jun), Bolsonaro o nomeou para o cargo de secretário de Estudos Estratégicos, uma das secretarias da SAE (Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos). Antes, o presidente já havia proibido o Exército e o Ministério da Defesa de emitirem uma nota sobre a conduta do general em 23.mai.

O regulamento disciplinar prevê punição para o militar da ativa que “manifestar-se publicamente […] sem que esteja autorizado a respeito de assuntos de natureza político-partidária”. No ato com Bolsonaro, o ex-ministro falou rapidamente ao microfone: “Parabéns a vocês, parabéns à galera que está aí prestigiando o PR [presidente da República]. Tamo junto (sic).”

Também elenca como transgressão “deixar de punir o subordinado que cometer transgressão, salvo na ocorrência das circunstâncias de justificação” previstas no documento. Eis a íntegra (346 KB).

Motoqueiros

A exemplo do passeio de moto que liderou logo antes de subir a um carro de som com Pazuello e outros aliados, Bolsonaro disse na live desta 5ª feira que foi convidado para um novo encontro com motoqueiros em 12.jun, desta vez em São Paulo (SP). Segundo o presidente, havia 20 mil pessoas participando da chamada “motociata” na capital fluminense, e se espera o dobro desse contingente para o próximo ato.

O mandatário também relatou que aliados políticos têm feito convites para novos passeios de moto em seus redutos eleitorais, citando o senador Luiz Carlos Heinze (PP-RS), e o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, o deputado federal Bibo Nunes (PSL-RS), em Porto Alegre, e o deputado estadual Bruno Engler (PRTB-MG), em Belo Horizonte.

Previous Doria critica governo federal por demora em entrega de doses da Pfizer
Next Ministério Público recomenda que Goiás e capital não sediem Copa América

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.