Sem acordo sobre indenização por encalhe no Canal de Suez, navio segue ancorado


A Autoridade do Canal de Suez e a empresa japonesa Shoei Kisen Kaisha Ltd, proprietária do navio que bloqueou o canal por 6 dias em março, não chegam a um acordo sobre a indenização a ser paga pelo encalhe. Com isso, a embarcação segue ancorada e sua tripulação está impedida de deixar o navio.

A audiência judicial que seria realizada no último sábado (29.mai.2021) foi adiada para 20 de junho para dar mais tempo para que as partes negociem uma solução. A informação é do portal G1.

O Canal de Suez ficou bloqueado por 6 dias, desde 23 de março, devido ao encalhe do Ever Given. O navio de 400 metros de comprimento e 200 mil toneladas ficou preso na diagonal e impediu que qualquer outra embarcação passasse pela rota marítima mais rápida entre a Europa e a Ásia. O navio foi desencalhado na manhã de 29 de março e foi apreendido pelas autoridades egípcias.

A Autoridade do Canal de Suez havia pedido inicialmente US$ 916 milhões para cobrir receitas perdidas, danos ao canal e o custo do resgate do navio. Baixou o valor para US$ 550 milhões. O órgão exige um depósito à vista de US$ 200 milhões para liberar o navio, e aceita receber o restante por meio de cartas de crédito.

A empresa japonesa, no entanto, ofereceu pagar um total de US$ 150 milhões.

Além do valor de indenização, as partes discordam sobre quem tem a culpa pelo acidente. Autoridades egípcias afirmaram no domingo (30.mai.2021) que o capitão do Ever Given perdeu o controle da embarcação e é responsável pelo encalhe do Ever Given.

Sayed Sheisha, investigador-chefe da Autoridade do Canal de Suez, disse que a embarcação não sofreu com problemas técnicos. Ele afirmou que o navio estava virando para a direita ao entrar no canal e o capitão tentou puxar a embarcação de volta para o centro. O capitão, de acordo com Sheisha, teria acelerado, fazendo com que o Even Given batesse na margem do canal e ficasse com uma das pontas presa.

A defesa da companhia japonesa culpou a Autoridade do Canal de Suez por permitir que a embarcação entrasse no canal no meio de uma forte tempestade de areia. Investigações iniciais apontaram que essa tempestade teria feito com que o Ever Given virasse e ficasse atravessado no canal.

CANAL

Canal de Suez é uma das rotas de navegação mais importantes do mundo. Cerca de 12% do comércio global passam pelo canal, que conecta o Mar Mediterrâneo ao Mar Vermelho.

Com o encalhe, empresas de transporte marítimo chegaram a estudar nova rota, contornando todo o continente africano, para entregar mercadorias enviadas da Ásia para países europeus. Essa alteração atrasaria entregas em cerca de duas semanas.

A Lloyd’s List, publicação especializada em comércio marítimo, calculou que o prejuízo para cada dia de navegação suspensa era de mais de US$ 9 bilhões em mercadorias que deixam de passar pela hidrovia.

Previous Com fim de veto, governo deve repassar R$ 3,5 bi para internet nas escolas
Next Nuno Santana substitui Miguel Osório na administração da Media Capital

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.