Sebrae Minas e integrantes de consórcio intermunicipal apoiam pequenos produtores da Serra Geral


Objetivo é que produtores de queijo e outras iguarias possam comercializar seus produtos nos 15 municípios da região

 

 

O queijo produzido em Porteirinha, no Norte de Minas, é um dos mais conceituados do estado. Prova disso é que no último mês de agosto, a Rubi Queijaria, dos produtores Regino Rodrigues da Silva e Rubnei Santos Gomes, teve o projeto aprovado para receber o selo de inspeção do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e, agora, pode vender seu produto para todo o estado.

 

Na região da Serra Geral, vários outros produtores não só de queijo, mas também de requeijão, ovos, frango caipira, linguiça e mel, precisam comercializar seus produtos, porém, como ainda não possuem o selo ficam impedidos de vender para outros municípios.

 

Para apoiar esses produtores, uma parceria entre o Sebrae Minas e o Consorcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável União da Serra Geral trabalha na criação de estratégias para a melhoria da qualidade da produção. O objetivo é que sejam regulamentadas as leis municipais que criaram o Serviço de Inspeção Municipal (SIM), para que os produtores possam comercializar seus produtos em todos os 15 munícipios que integram a Serra Geral e, futuramente, em todo território nacional.

 

O superintendente do consórcio, Horácio Cristo Barbosa, explica que a iniciativa vem desde 2014 e tem avançado. “ O queijo da região sempre teve sua qualidade, mas era preciso melhorar muitas questões. Atendendo uma solicitação do Ministério Público de Defesa do Consumidor, os produtores de Porteirinha tiveram que se adequar a questões como higiene e qualidade. Para isso, o município criou o Selo de Inspeção Municipal. Desde então, o Ministério Público é um parceiro que vem nos orientando na padronização da qualidade e melhoria dos produtos da região da Serra Geral”, diz.

 

Horácio destaca ainda que foi criado um regulamento em que os produtores precisam atender várias exigências, como higiene, qualidade e padronização, entre outros. ”Estamos cadastrando produtores e realizando visitas aos empreendimentos para levar orientações sobre essas exigências e mostrar a eles que é possível ter produtos com qualidade. Temos um veterinário que, em conjunto com os técnicos do SIM dos municípios, passa todas as orientações sobre o manejo correto dos produtos. Essa conquista do selo do IMA pela queijaria Rubi é um estímulo aos demais produtores da região”, salienta.

Adaptação

Produtor de linguiça artesanal em Espinosa, João Carlos Oliveira diz que as orientações são importantes para estruturar seu negócio. “No início, até pensei que seria mais complicado, mas percebi que são explicações importantes, no sentido de a gente ter melhor organização e higiene no manuseio dos produtos. Com essas adequações, fica melhor para a gente trabalhar e também para vender.  Queremos que tudo seja regulamentado para podermos aumentar nossas vendas em toda a região e ainda poder gerar emprego para as pessoas”, reforça.

 

Apoio

 

O Sebrae Minas é uma das entidades apoiadoras dos pequenos produtores da região da Serra Geral. “Cumprindo nosso papel de apoiar os pequenos negócios, levamos os produtores a várias visitas técnicas a outros produtores do estado. Oferecemos cursos, capacitações e orientações de gestão, marketing e outras áreas. A conquista do selo pela queijaria Rubi nos deixa felizes por termos a certeza que contribuímos nesse processo. Continuamos apoiando por meio dessa parceria com o consórcio, para que os demais possam melhorar e comercializar seus produtos em toda a região”, enfatiza o analista do Sebrae Minas Jadilson Borges.

 

Além do Sebrae Minas, o Consorcio intermunicipal trabalha em conjunto com: Senar, Aciport, Associação dos Produtores de Queijo Artesanal da Serra Geral (Aproqueijo), Emater, IMA, Ministério Público de Defesa do Consumidor/Procon, entre outros.  Os municípios que integram o consórcio União da Serra Geral são: Janaúba, Porteirinha, Jaíba, Espinosa, Pai Pedro, Matias Cardoso, Verdelândia, Nova Porteirinha, Riacho dos Machados, Gameleiras, Mamonas, Montes Azul, Catuti, Mato Verde e Serranópolis de Minas.

Previous Banco do Nordeste debate sustentabilidade em tempos de crise no IV Fórum de Integridade
Next Banco do Nordeste debate soluções inovadoras para o desenvolvimento territorial

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.