São Paulo investiga caso de fungo negro em paciente com covid-19


O HC (Hospital das Clínicas) da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) investiga um caso de murcomicose, conhecido como fungo negro, em um paciente com covid-19. Outros 2 casos são investigados no Brasil, em Santa Catarina e em Manaus.

As informações são da coluna da Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo.

O caso investigado pelo HC é de um homem com menos de 40 anos que apresentou quadro moderado de covid-19. Segundo a publicação, ele não tem comorbidades associadas ao fungo negro, como diabetes. Pacientes que tenham realizado transplante de medula óssea ou com doenças onco-hematológicas também são mais suscetíveis a murcomicose.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

A mucormicose causa o escurecimento da pele, principalmente na área do nariz. Outros sintomas que acompanham a mudança de coloração são: vermelhidão intensa e inchaço dos olhos, visão turva ou dupla, dor na região do peito, dificuldade para respirar e tosse com sangue. O fungo ainda pode invadir o cérebro e levar à morte.

Em 21 de maio de 2021, o premiê da Índia, Narendra Modi, alertou para um “novo desafio” no enfrentamento da pandemia. Médicos do país identificaram a infecção em pacientes sendo tratados para a covid-19. O AIIMS (Instituto de Ciência Médica de Toda a Índia) explicou que os esteroides usados no tratamento da covid-19 podem ser a causa do aparecimento da mucormicose.

O médico Marcello Mihailenko Chaves, da clínica de moléstias infecciosas e parasitárias do HC, disse à Folha que doença é rara no Brasil. “Atendemos de 2 a 3 casos de murcomicose por ano no Hospital das Clínicas”, falou.

De acordo com o médico, o Brasil não tem as mesmas condições da Índia, onde a diabetes atinge um grande número de pessoas. Chaves avaliou também que as condições sanitárias são melhores no Brasil. Além disso, o fungo e não transmissível. Por isso, ele disse que a murcomicose “não deve se transformar em um problema de saúde pública no Brasil”.

Previous Professor detido por faixa contra Bolsonaro perdeu 3 parentes por covid-19
Next Mudanças na direcção de informação da Lusa

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.