Relator quer aliar texto da Câmara a desejo de senadores na MP da Eletrobras


O relator da medida provisória de capitalização da Eletrobras no Senado, Marcos Rogério (DEM-RO), disse ao Poder360 que irá dialogar com deputados, integrantes da equipe econômica e do governo e com representantes do setor elétrico antes de começar a esboçar o seu parecer. Ele disse querer conciliar o que foi acordado com a Câmara e o que os senadores querem modificar.

Meu intuito é aprovar a MP, não vamos perdê-la”, disse.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

O Poder360 apurou que há pressão de diversos senadores por mudanças na obrigação de compra de energia das usinas térmicas em leilões, na regra de aquisição de cotas e na participação dos servidores.

A Câmara dos Deputados aprovou em 19 de maio a MP da forma como foi apresentada, sem destaques. O Legislativo tem até 22 de junho para concluir a votação para que ela não perca a validade.

A proposta permite o aumento no capital social da empresa. O governo, atualmente acionista majoritário, fica autorizado a fazer uma oferta pública de ações. A expectativa é arrecadar R$ 100 bilhões na operação. Por ora, está liberado apenas o estudo da privatização pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

A medida provisória foi assinada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em 23 de fevereiro. O Ministério de Minas e Energia afirma que a expectativa é que a capitalização da Eletrobras comece em 2022.

Previous Brasil tem mais 2.408 mortes e 78.926 casos de covid-19 em 1 dia
Next Bolsonaro comemora resultado do PIB: “Voltando ao ritmo pré-pandemia”

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.