Reguladores dos EUA buscam mais controle do mercado de criptomoedas


As autoridades financeiras dos Estados Unidos estão trabalhando para aumentar a regulamentação do mercado de criptomoedas, como o Bitcoin. As informações são do Financial Times.

Em entrevista ao jornal, Michael Hsu, do Departamento do Tesouro norte-americano, disse esperar que as autoridades norte-americanas definam um “perímetro regulatório” para as criptomoedas.

Hsu foi escolhido neste mês como auditor da moeda –cargo que envolve a administração do sistema bancário federal dos EUA e a direção do OCC (Escritório de Controladoria da Moeda).

Um dos primeiros atos de Hsu ao assumir a nova posição foi pedir uma revisão de uma decisão da era Trump que deu cartas de confiança nacionais a empresas que oferecem serviços de custódia para criptomoedas.

“Conversando com alguns de meus colegas, vi um interesse por coordenar muito mais” as questões relativas às criptomoedas, disse ao jornal.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

Os Estados Unidos realizaram em maio a primeira reunião de uma equipe criada para discutir a regulamentação. Membros de 3 agências fazem parte do time: OCC, Federal Reserve (banco central dos EUA) e Corporação Federal de Seguros de Depósitos. Segundo Hsu, a equipe pretende listar ideias para que o governo federal as analise.

A SEC (Comissão de Valores Mobiliários) e a Comissão de Negócios Futuros de Commodities também analisam como proteger os investidores no criptomercado.

Ao participar de uma sessão da Câmara dos Deputados dos EUA, o presidente da SEC, Gary Gensler, afirmou que existem lacunas no sistema atual de regulamentação do mercado. Disse que o Departamento do Tesouro está focado no “combate à lavagem de dinheiro e proteção contra atividade ilícita” no criptomercado.

Gensler disse que há necessidade da criação de uma legislação para especificar qual órgão regulador deve supervisionar os negócios que envolvem criptomoedas.

Segundo ele, o objetivo da SEC fazer com que as Bolsas onde se negociam criptoativos tenham “proteções semelhantes as que se pode esperar da Bolsa de Nova York ou da Nasdaq”.

Previous Helena Ferro de Gouveia é a representante da Global Media na Lusa
Next BTG compra Empiricus por R$ 690 milhões

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.