Randolfe: “Eventual impeachment será consequência de relatório da CPI”


O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que um eventual impeachment do presidente Jair Bolsonaro será consequência do relatório final da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, que investiga ações e omissões do governo federal em meio à pandemia. Ele foi entrevistado no programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite dessa 2ª feira (31.mai.2021).

“Um eventual impeachment é uma consequência do relatório final. Temos que reunir elementos para isso. A CPI até aqui já produziu resultados sanitários. Veja que até a família do Zé Gotinha já voltou para a televisão, apresentado pelo Ministério da Saúde. O presidente da República, num rápido surto, em alguns momentos, chegou a utilizar máscara”, afirmou o vice-presidente da comissão, instalada em 27 de abril deste ano.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

“O curso das investigações é que vai apontar as necessidades das medidas sanitárias de contenção da pandemia e também da resposta a esta pergunta: quem são os responsáveis pelo agravamento da pandemia no país?”, disse Randolfe.

O senador também apontou que a investigação de Estados e municípios trata-se de uma “manobra dispersiva” de Bolsonaro e aliados para tirar o foco do governo federal.

“Não tenho dúvidas de que em vários Estados teve roubalheira. Inclusive alguns processos estão em curso. Um governador de Estado, o do Rio de Janeiro, foi afastado, outro está em processo de impeachment, de Santa Catarina. O do Amazonas também deve receber processo no STJ [Superior Tribunal de Justiça]. Aliás, essa celeridade do procurador-geral da República [Augusto Aras] em relação aos governadores, gostaria também que tivesse em relação ao governo federal e ao presidente da República. Se tivesse tido, nem precisaria ter tido CPI”, declarou.

Nessa 2ª feira (31.mai), Randolfe anunciou que quer convocar o presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Rogério Caboclo, para que ele explique ao colegiado por quê o Brasil aceitou sediar a Copa América no momento em que o país ainda enfrenta grave crise sanitária.

Apesar do anúncio da Conmebol sobre a vinda do torneio ao Brasil, o ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, disse que ainda não foi confirmado que o país será a sede oficial da Copa América. Em entrevista no Palácio do Planalto, em Brasília, Ramos falou que uma reunião será realizada nesta 3ª feira (1º.jun) para bater o martelo sobre o tema.

Previous Conselho de Ética da Câmara tem maior número de processos desde o Mensalão
Next Uber anuncia nova sede brasileira na Grande São Paulo

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.