Nos EUA, evangélicos brancos assistem Fox News, hindus e muçulmanos, CNN


*Por Ryan Burge

A Fox News possui uma “influência desproporcional” sobre o público norte-americano, especialmente entre os telespectadores religiosos.

Essa foi a conclusão do Instituto de Pesquisa da Religião Pública, uma entidade sem fins lucrativos, em um relatório divulgado logo após a eleição presidencial de 2020. Ele observou que 15% dos americanos citaram a Fox News como a fonte mais confiável –quase o mesmo que NBC, ABC e CBS combinadas, e 4 pontos percentuais acima da rede rival CNN. A pesquisa com mais de 2.500 adultos americanos também sugeriu que os telespectadores da Fox News são religiosos, especialmente entre os republicanos que assistem ao canal. Apenas 5% da audiência republicana se identifica como “não ligada à religião”, em comparação com 15% dos republicanos que não assistem à Fox News e 25% do público americano em geral.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

Para explorar ainda mais a relação entre diferentes religiões e os noticiários de TV, que se associam como parte de minha pesquisa sobre dados religiosos, analisei o resultado de outra pesquisa, a Pesquisa Eleitoral Cooperativa.

O levantamento anual, realizado pouco antes da eleição de novembro de 2020, com os resultados divulgados em março, entrevistou um total de 61.000 americanos sobre uma série de tópicos.  A pesquisa perguntou quais eram os hábitos de consumo de notícia dos entrevistados e quais canais de notícias de televisão os entrevistados haviam assistido nas últimas 24 horas.

Tabela mostra a porcentagem dos entrevistados que disseram ter visto notícias na TV nas últimas 24h, de acordo com o canal e a religião Reprodução/Nieman Lab

Alguns padrões muito interessantes surgiram nos segmentos religiosos, nos não religiosos e no tipo de mídia que está sendo consumida. Por exemplo, das 3 grandes mídias tradicionais de notícias -ABC, CBS e NBC- não havia uma base forte de audiência em qualquer segmento religioso.

Na maioria dos casos, cerca de um terço das pessoas de cada tradição religiosa disse que assistiu a uma dessas redes de massa nas últimas 24 horas. A rede PBS teve pontuação muito baixa entre todas as tradições. Na maioria dos casos, menos de 15% dos entrevistados relataram assistir ao canal no período.

Gráfico com a audiência da Fox News, de acordo com a religião Reprodução/Nieman Lab

No entanto, os números das 3 principais redes de notícias a cabo –CNN, Fox News e MSNBC– eram muito mais altos em todos os segmentos. Em 8 das 16 tradições religiosas e não religiosas categorizadas na pesquisa, a audiência da CNN teve pelo menos 50% da amostra. Os grupos que lideraram foram os hindus (71%) seguido pelos muçulmanos (63%).

A fatia com menor probabilidade de assistir à CNN era a de evangélicos brancos, com apenas 23%. Em comparação, o MSNBC teve pontuação mais baixa em quase todos os grupos. Na verdade, em nenhum dos 16 grupos de classificação a audiência da MSNBC foi maior que a da CNN.

A audiência da Fox News foi maior do que a da MSNBC, mas não foi tão dispersa como na CNN. Não é nenhuma surpresa, dada sua reputação como um meio de comunicação conservador, em que 61% dos evangélicos brancos dizem que assistem ao canal –na última eleição, cerca de 80% dos evangélicos brancos votaram no candidato republicano Donald Trump. Os outros 3 segmentos em que a audiência era de pelo menos 50% são católicos brancos, mórmons e membros da Igreja Ortodoxa Oriental. Não deve ser surpresa, já que esses são 3 grupos que votam consistentemente no Partido Republicano. Apenas 14% dos ateus assistiram à Fox, o que está quase em linha com a proporção de evangélicos brancos que assistem à MSNBC.

Ryan Burge é professor-assistente de ciência política na Eastern Illinois University. Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons.

Texto traduzido por Lucas Mendes. Leia o texto original em inglês.

Poder360 tem uma parceria com duas divisões da Fundação Nieman, de Harvard: o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports. O acordo consiste em traduzir para português os textos do Nieman Journalism Lab e do Nieman Reports e publicar esse material no Poder360. Para ter acesso a todas as traduções já publicadas, clique aqui.

Previous Saiba quanto os maiores CEOs dos EUA ganharam em 2020
Next Peru vai às urnas neste domingo em 2º turno polarizado

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.