Marco Aurélio diz acreditar que Fux pautará suspeição de Moro


O ministro Marco Aurélio Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse ao jornal Folha de S.Paulo que está seguro de que o presidente da Corte, Luiz Fux, vai pautar a suspeição do ex-juiz Sergio Moro para que o julgamento seja finalizado antes do dia 5 de julho, quando ele se aposenta.

“Eu tenho certeza. Ele não vai me frustrar”, afirmou o magistrado ao jornal. “Eu tenho certeza de que ele [Fux] retomará o julgamento e que meu trabalho não será em vão”, disse Marco Aurélio.

Numa petição apresentada nessa 2ª feira (31.mai.2021), a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu ao decano do STF que envie ofício ao presidente da Corte para a retomada do julgamento. Eis a íntegra (245 KB).

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

No final de abril, o plenário formou maioria para validar a decisão da 2ª Turma que considerou Moro parcial no caso do triplex do Guarujá. O julgamento, porém, não foi concluído em razão de um pedido de vista (mais tempo de análise) feito por Marco Aurélio Mello. Além dele, ainda resta o voto de Fux.

Marco Aurélio liberou o julgamento em 29 de abril, mas o processo não foi pautado por Fux desde então. A defesa de Lula afirma que os prazos para a retomada da votação pelo Supremo não foram cumpridos. Pede que seja enviado um ofício a Fux para agendar o julgamento. O criminalista Cristiano Zanin Martins, que assina a petição, também diz que é importante discutir o tema antes da aposentadoria do decano.

O ministro decano Marco Aurélio, com a percuciência que lhe é característica, participou de todo o julgamento e das discussões atinentes a esse habeas corpus e registrou ter voto pronto sobre a matéria desde 29.04.2021. Essa situação não permite cogitar que o julgamento não seja retomado o mais breve possível”, afirmou.

A conclusão do julgamento reflete no andamento dos processos contra o ex-presidente Lula. Em abril, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, anulou as 4 ações penais contra o petista apresentadas pela força-tarefa em Curitiba.

Os processos foram remetidos à Justiça Federal do Distrito Federal, a quem caberia apenas validar as provas colhidas por Moro durante o processo. Em tese, isso poderia agilizar uma condenação contra Lula.

A suspeição de Moro, porém, anularia toda a investigação conduzida pelo ex-juiz, o que jogaria o processo à estaca zero.

Previous WhatsApp desiste de limitar funções de quem não aceitar novos termos de uso
Next Cidades europeias querem volta do turismo, mas não como antes

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.