Jornalista norte-mineiro recebe o Premio BNB de Jornalismo – categoria nacional


Será realizada nesta quinta-feira (15/07), a entrega do Prêmio Banco do Nordeste de Jornalismo em Desenvolvimento Regional/edição 2020 na categoria Nacional de Mídia Impressa, que teve como vencedor o repórter Luiz Ribeiro, de Montes Claros.
A solenidade de entrega está marcada para às 16 horas, na sede da Superintendência Estadual do Norte de Minas Gerais e Espírito Santo em Montes Claros, obedecendo as normas de distanciamento social por causa das medidas contra a transmissão do coronavírus. A premiação será entregue pelo superintendente do BNB para o Norte de Minas e Espírito Santo, Wesley Maciel.
Luiz Ribeiro foi vencedor do Prêmio BNB/2020 na categoria Nacional de Mídia Impressa com a série de reportagens “Conservação e uso racional da água: sustentabilidade e renda no semiárido”. As reportagens foram publicadas de 23 de dezembro de 2019 a 29 de dezembro de 2020.
Ao todo, no Prêmio Banco do Nordeste de Jornalismo em Desenvolvimento Regional/edição 2020 foram  premiados 18 trabalhos jornalísticos, distribuídos nas categorias nacional (rádio, impresso, audiovisual, internet), extrarregional e universitário, além de prêmios regionais, contemplando produções dos nove estados do Nordeste, de Minas Gerais e do Espírito Santo, que integram a área de atuação do BNB.
Na categoria estadual de Minas Gerais, a vencedora foi a Rede Minas, com a reportagem “Benjamim Guimarães: histórias do último vapor do mundo”, de autoria de Laura Zschaber, Ana Paula Gomes, Naiara Guimarães, Aline Scaproni e Bruna Cevidanes.
A série “Conservação e uso racional da água: sustentabilidade e renda no semiárido”, publicada ao longo de cinco reportagens, teve como carro-chefe o projeto de construção das barraginhas de captação e captação da água da chuva, que surgiu no sertão mineiro e se expandiu pelo país, com grandes efeitos positivos no semiárido.
Com baixo custo, os reservatórios se tornaram instrumento de recuperação ambiental e das fontes hídricas, auxiliando a pequena propriedade rural a se manter e a conviver com a seca.
O projeto das barraginhas é coordenado pelo técnico e pesquisador Luciano Cordoval de Barros, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa/Sete Lagoas).
Em todo país, já foram construídas mais de 600 mil reservatórios, sendo metade em Minas Gerais. As barraginhas de contenção de água da chuva, fazendo com que a água infiltre no subsolo e recarregue o lençol freático, impedindo a erosão.
Assim, tornaram-se um grande instrumento de recuperação ambiental e das fontes hídricas, auxiliando o pequeno produtor a se manter na atividade e a conviver com as estiagens prolongadas.
Já foram capacitados mais de 10 mil técnicos, que se tornaram multiplicadores do sistema em diferentes regiões do país, especialmente nas áreas semiáridas.
“O planeta Terra é composto por 70% de água, mas somente 2,5% dessa porção é água doce, com a maior parte situada nos polos, indisponível para o consumo imediato. O Brasil concentra 12% da água doce superficial do mundo. No entanto, não dá para falar em fartura. Pelo contrário, por conta das mudanças climáticas e das diversas formas de degradação ambiental, o recurso é cada vez mais escasso, agravando a crise hídrica”, diz a série de reportagens, que chama atenção para outras iniciativas para a conservação da água.
Uma das ações abordadas é o Projeto Meu Rio, implantado na comunidade rural de Joao Moreira, no município de São João da Ponte, no Norte de Minas.
Foi mostrado o esforço dos pequenos dos agricultores da comunidade para recuperação de nascentes do córrego que dá o nome ao lugar e o desenvolvimento de atividades sustentáveis para garantia da geração de renda e fixação da população no seu local de origem, sem depredar a natureza.
A série de reportagens enfatizou a ação inovadora dos agricultores familiares de Catuti (também no Norte do estado) para garantirem a sobrevivência e o sustento diante da adversidade climática.
Eles construíram em suas propriedades grandes tanques, com o emprego de um material sintético, a geomembrana, que captam e armazenam a água da chuva para irrigação nos períodos de veranico. Também recorrem à água de captação subterrânea, com irrigação feita por gotejamento.
Além disso, o trabalho jornalístico mostrou como os agricultores dos projetos inovadores de conservação da água inovaram para superar a pandemia da COVID-19 e evitar contaminação pelo vírus.
Na comunidade de João Moreira, os pequenos produtores passaram a seguir uma série de protocolos de medidas de segurança, com reuniões ao ar livre e com distanciamento.
As mesmas medidas foram adotadas pelos produtores de algodão de Catuti, que adotaram medidas como distanciamento e o uso de máscara.
Além disso, implementaram novas tecnologias com o uso de drones para a pulverização dos algodoais. Já o técnico e pesquisador Luciano Cordoval, para dar sequencia aos projeto das barraginhas em meio a pandemia, criou um modelo de interatividade com os agricultores a distância, por meio de WhatsApp, a “rede do bem”.
Premiações
O jornalista Luiz Ribeiro iniciou a carreira no antigo “O Jornal de Montes Claros” e já passou pelo “Jornal de Notícias”  pelo “Hoje em Dia”, além de ter atuado como free-lancer para o jornal “O Globo”. Há 29 anos, é repórter dos jornais Estado de Minas e Correio Braziliense, além do Portal UAI, dos Diários Associados.

Luiz Ribeiro está classificado entre os 25 jornalistas brasileiros mais premiados de todos os tempos, conquistando a 55ª premiação em concursos regionais e nacionais, por trabalhos individuais e em equipe. O repórter norte-mineiro também já esteve entre os ganhadores do Prêmio BNB em outras seis edições do concurso.

Previous Crédito do Banco do Nordeste para Minas Gerais cresce 61% em 2021
Next    Sebrae Minas promove jogo virtual que transforma estudantes mineiros em donos de startups

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.