Hong Kong prende organizadora de vigília em memória de vítimas da repressão


A polícia de Hong Kong prendeu nesta 6ª feira (4.jun.2021) Chow Hang Tung, que participou da organização da vigília pelas vítimas da repressão chinesa em 1989. O evento foi proibido pelo 2º ano consecutivo. As informações são da Reuters.

Os cidadãos de Hong Kong se reúnem todos os anos para lembrar as pessoas que morreram em 4 de junho de 1989, quando a polícia invadiu uma manifestação que ocorria na praça Tiananmen, em Pequim, em favor da democracia.

Números oficiais citam 300 mortos, mas grupos de direitos humanos e testemunhas dizem que milhares de pessoas podem ter morrido naquele dia.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

Por décadas, Hong Kong e Macau –territórios semiautônomos– foram os únicos lugares da China que lembravam os acontecimentos de 4 de junho de 1989. A vigília é proibida na China continental.

Chow é vice-presidente da Aliança de Hong Kong em Apoio aos Movimentos Democráticos Patrióticos da China. Segundo Chiu Yan Loy, membro executivo da organização, ela “só queria ir ao Victoria Park [local onde tradicionalmente a vigília é realizada], acender uma vela e celebrar”.

Chiu disse à Reuters que a prisão da organizadora tem como objetivo causar medo àqueles que planejavam participar da vigília.

Em 2020, o evento não foi aprovado. Assim como este ano. Em comunicado emitido na noite de 5ª feira (3.jun), a polícia local declarou que qualquer reunião representa “ameaças consideráveis ​​para a saúde pública” e alertou que quem participasse de “assembleias não autorizadas” poderia ser condenado a até 5 anos de prisão.

“A polícia implementará mão de obra adequada em locais relevantes durante o dia e tomará medidas resolutas para fazer cumprir a lei, incluindo prisões”, disse a corporação.

LEI DE SEGURANÇA NACIONAL

A China aprovou, no fim de junho de 2020, a controversa lei de segurança nacional que permite às autoridades chinesas combater o que enquadram como atividade “subversiva e secessionista” em Hong Kong. A aprovação aumentou ainda mais o receio de uma redução das liberdades na região semiautônoma.

Na época, a ONG Anistia Internacional afirmou que a aprovação da lei é uma grande “ameaça” aos direitos humanos em Hong Kong e que “a partir de agora a China terá o poder de impor as suas leis contra qualquer um que considerar suspeito de cometer um crime”.

A velocidade e o sigilo com os quais a China adotou essa legislação aumentam o medo de que Pequim tenha criado uma arma de repressão para usar contra críticos do Governo, incluindo pessoas que apenas expressam as opiniões de maneira pacífica”, disse o chefe da organização para a China, Joshua Rosenzweig.

Ele acrescentou que o objetivo de Pequim é “governar Hong Kong pelo medo”.

Previous Com hospitais lotados, MS vai transferir pacientes para outros Estados
Next Primeira campanha da Uber Eats criada em Portugal com assinatura da Lola Normajean (com vídeo)

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.