Em nova capa, Economist mostrará estátua do Cristo com máscara de oxigênio


A revista britânica Economist produziu uma reportagem especial sobre o Brasil. A página inicial traz o Cristo Redentor, como em outras edições, recebendo oxigênio, com a manchete: “On the brick”, que se traduz por “À beira [do colapso].

A reportagem tem a data de 5.jun e deverá estar na edição impressa da revista a ser publicada na próxima 5ª feira (3.jun

.2021). Circulou de forma restrita entre alguns assinantes da publicação.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

A revista afirma no texto que “o Brasil enfrenta sua pior crise desde a redemocratização em 1985”. Lista como desafios a serem superados como “estagnação econômica, ruína ambiental, regressão social e o pesadelo da covid-19”.

O presidente Jair Bolsonaro é retratado como responsável por ter piorado um quadro que era desfavorável antes mesmo da pandemia. “Com Bolsonaro como seu médico, o país está agora em coma”. A revista afirma que o presidente “abandonou” o apoio a reformas liberais propostas pelo ministro Paulo Guedes (Economia) que possam resultar na perda de votos para a reeleição. Não cita quais.

Em nova capa, Economist mostrará estátua do Cristo com máscara de oxigênio Reprodução Economist – 3.jun.2021

ANÁLISE

A Economist costuma exagerar nas críticas e também nos elogios ao Brasil. Em 2009 publicou a capa “Brazil takes off” (“O Brasil decola”). A imagem do Cristo Redentor transformado em foguete fazia alusão ao crescimento do país apesar da crise global.

Mas na época já era possível identificar a falta de dedicação do governo Lula com 2 itens que a publicação defende: reformas econômicas e o controle de gastos públicos. Qualquer analista mais atento saberia mencionar ajustes importantes que não foram feitos por Lula nem por sua sucessora, Dilma Rousseff.

Em 2013, no governo Dilma, a revista fez nova capa com o Cristo na forma de foguete, desta vez descontrolado e caindo. O título: “Has Brazil blown it?” (“O Brasil estragou tudo?”). Isso apesar de o país seguir crescendo na época, muito mais do que a vizinhos –e oferecendo crítica muito acerba do que as dedicadas a países como a Argentina.

Em 2016, a estátua no Rio aparecia com um cartaz de SOS. O título era: “The betrayal of Brazil” (“A traição do Brasil”). Atribuía a toda a classe política o fracasso do governo Dilma, uma visão reducionista da realidade brasileira. Epidérmica, a Economist, por exemplo, nunca explicou para seus leitores que foi o STF (Supremo Tribunal Federal) que, por pressão direta dos tucanos, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, passou a entender que “contribuição” é algo diferente de “imposto” –uma jabuticaba brasileira. Dessa forma, o governo federal passou a cobrar todos os tipos de taxas (inclusive a corrosiva Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) sem dividir nada dessa receita com Estados e cidades, que aí começaram a colocar o pé na cova.

Agora a revista britânica recorre à imagem do Cristo com oxigênio no nariz, no momento em que a aceleração do crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro surpreende e faz analistas reverem estimativas para cima.

Com tanta defasagem, imprecisão e propensão a ser retardatária, a Economist se transforma numa espécie de “Rubinho Barrichello da análise econômica”: só percebe aquilo que já aconteceu e de maneira atrasada.

 

 

 

Previous Brasil registra 95 mil casos de covid-19 em 24 h; total vai a 16,7 milhões
Next Preço médio do Diesel está 45% maior do que há um ano, mostra levantamento

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.