Depois de críticas, EBC deixa de publicar relatórios bimestrais de ombudsman


A EBC (Empresa Brasil de Comunicação) não publica mais as análises de ombudsman (críticas internas ao conteúdo noticioso) em seu relatório bimestral. A decisão foi tomada em 22 de março passou a valer para o relatório bimestral de março e abril.

Agora, a EBC só irá publicar as críticas ao conteúdo jornalístico da empresa em seu relatório anual. A mudança foi decida pelo Consad (Conselho de Administração) da estatal.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

A mudança foi realizada depois do relatório dos meses de janeiro e fevereiro. No documento, o ombudsman critica a forma como a crise de oxigênio em Manaus e a posse do presidente do Estados Unidos Joe Biden foram noticiadas. Segundo a crítica, faltou destaque para as duas notícias. Eis a íntegra (6 MB).

Com a decisão do Consad, o relatório referente aos meses de março e abril avisa logo em seu início que as críticas de ombudsman serão publicadas apenas anualmente. O restante do documento trata de questões da ouvidoria da EBC. Eis a íntegra (2 MB).

Funcionários da EBC já reclamaram da interferência do governo no conteúdo da mídia. Em fevereiro deste ano, afirmaram que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) usa o veículo para fins políticos.

Entre os relatos estavam censura e uso da mídia para promover o governo. A crise de oxigênio foi citada por eles como um fato jornalístico ignorado pela TV Brasil.

A crise de oxigênio é um ponto vulnerável da atuação do Ministério da Saúde durante a pandemia. Esse é um dos episódios questionados pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado.

A posse de Biden, como indicado no relatório de ombudsman, teve uma cobertura muito menor do que a de Donald Trump, em 2017. A EBC transmitiu ao vivo a cerimônia do então presidente republicano, enquanto a de Biden teve apenas 3 publicações no dia da posse. O presidente Bolsonaro só reconheceu a vitória de Biden 6 semanas depois da votação norte-americana.

Previous China ampliou liderança na origem de importações brasileiras em 2020
Next Estudo do Sebrae mostra atividades do MEI que mais cresceram e as que estão à beira da extinção

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.