Crítico do Fies, Guedes defende voucher para jovens universitários


O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta 3ª feira (1º.jun.2021) que o governo forneça “vouchers” para estudantes de baixa renda que desejam ingressar na universidade. A medida reduziria o uso do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), que, de acordo com Guedes, tem “excessos”.

“O Fies é um empréstimo que tem que ser para a classe média, que vai ter condições de pagar um empréstimo se o jovem não conseguir um emprego 2 ou 3 meses depois. Mas o jovem que vem da periferia, o jovem negro precisa de um voucher, ele não precisa ter a responsabilidade de devolver o dinheiro”, afirmou Guedes.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

O ministro falou sobre o assunto em audiência pública da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e disse que iria procurar alguns congressistas da bancada da educação para tratar do assunto. “Por que não podemos construir algo desse tipo dentro dos parâmetros fiscais, um programa focalizado? E, no futuro, usar mais o voucher e menos o empréstimo”, disse.

Guedes disse que a proposta não é acabar com o Fies, mas diferenciar o público dos dois programas para que os jovens mais vulneráveis não comecem a vida profissional já endividados. A proposta, no entanto, foi criticada por deputados como Reginaldo Lopes (PT-MG). Lopes disse que o Fies colocou 3 milhões de jovens na universidade, “inclusive o filho do porteiro”. Ele fez uma referência à declaração de Guedes de que o Fies deu bolsas de estudo para “todo mundo”, até para “filho de porteiro que zerou vestibular”.

O chefe da equipe econômica já disse que essa fala foi retirada de contexto, mas afirmou que houve excessos no Fies. “O Fundeb e o Fies foram duas iniciativas que são em si meritórias, mas houve excessos e toda vez que você comete um excesso você tem que corrigir lá na frente sob pena de a coisa ficar inviável”, disse Guedes nesta 3ª feira. O ministro também falou, no entanto, sobre a possibilidade de dar um “alívio tributário” para os jovens que estão devendo ao Fies.

Gastos com professores

Na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, Paulo Guedes disse que o número de funcionários públicos do MEC (Ministério da Educação) dobrou de 150 mil para 300 mil nos últimos anos e pressiona o orçamento da pasta. Segundo o Ministério da Economia, os gastos com pessoal, encargos e benefícios respondem por R$ 77,2 bilhões dos R$ 132 bilhões do orçamento do MEC em 2021. Eis a íntegra da apresentação.

“Isso pode ser visto de duas formas. O Brasil dá muita importância para a educação, porque metade do funcionalismo público federal está na educação. Mas fica a pergunta, por que estamos nos últimos lugares do Pisa? Nós devíamos estar em melhores classificações. Eu não quero acreditar que seja só empreguismo”, afirmou Guedes. Ele pediu, então, que as verbas do Fundeb sejam usadas com qualidade.

Previous Pazuello é nomeado secretário de Estudos Estratégicos do governo
Next Bolsonaro recebe convite oficial para se filiar ao Patriota

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.