Covid: 54% dos internados em UTIs públicas morrem; nas particulares são 30%


Do começo da pandemia até 26 de maio de 2021, 54% dos pacientes internados por covid em UTIs (unidade de terapia intensiva) públicas morreram. A taxa é de 30,4% nos hospitais privados. A diferença é de 23,6 pontos percentuais. Os dados são do projeto UTIs brasileiras.

A rede pública também têm um percentual maior que a privada de pacientes intubados: são 21,9 p.p. de contraste.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

Os números são de 641 hospitais (398 públicos e 243 privados) monitorados pelo projeto UTIs brasileiras. São compilados pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira para servir de benchmark a gestores de saúde.

As unidades de saúde monitoradas pelo projeto estão em situação melhor que a média do Brasil, segundo o médico intensivista e coordenador do projeto, Ederlon Rezende.

Rezende diz que os pacientes costumam chegar em estado mais grave nos hospitais públicos e cita a demora para o acesso ao leito, a infraestrutura de menor qualidade e a tendência daqueles que usam o sistema terem uma saúde mais deficitária.

“Quando você tem uma maior disponibilidade de leitos ‘per capita’, como você tem no privado, sobra espaço para quem não é tão grave”, diz Rezende. “Quando você tem uma menor disponibilidade, como é o caso do público, os poucos leitos que sobram recebem quem é muito grave”.

Ambas as redes devem sentir os impactos na mesma velocidade e intensidade, segundo Rezende. O motivo: a vacinação ser gratuita e igualitária. O médico afirma que a compra de doses pela rede privada poderia mudar essa dinâmica.

Informações deste post foram publicadas antes pelo Drive, com exclusividade. A newsletter é produzida para assinantes pela equipe de jornalistas do Poder360. Conheça mais o Drive aqui e saiba como receber com antecedência todas as principais informações do poder e da política.

Previous Brasil aplicou 1ª dose de vacinas da covid em 22% da população
Next Indicadores mostram forte retomada da economia nos primeiros meses de 2021

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.