Brasil desperdiça quase 40% da água potável captada, aponta estudo


Levantamento do Instituto Trata Brasil divulgado nesta 2ª feira (31.mai.2021) mostra que 39,2% da água potável captada não chegou oficialmente às residências brasileiras em 2019. O volume corresponde a 7.500 piscinas olímpicas de água tratada ou a 7 vezes o volume do sistema de abastecimento Cantareira, no Estado de São Paulo.

O indicador apresentou piora de 2,5 pontos percentuais desde 2015, quando as perdas representavam 36,7% do total captado. O estudo considera dados do Snis (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento) de 2019 e foi feito em parceria com a Asfamas (Associação Brasileira dos Fabricantes de Materiais para Saneamento) e elaboração da consultoria Go Associados. Eis a íntegra (1 MB).

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

Considerando apenas o volume perdido em vazamentos – 60% do total -, a água desperdiçada seria suficiente para abastecer 63 milhões de brasileiros por um ano. O instituto reforça que, desta forma, o montante seria mais que suficiente para atender os quase 35 milhões de habitantes do país que ainda não tem acesso à água tratada.

Segundo o presidente-executivo do Trata Brasil, Édison Carlos, ao não atacar o problema, as empresas de saneamento buscam mais água na natureza “não para atender mais pessoas, mas para compensar a ineficiência. Em momentos de pandemia e pouca chuva, isso cobra um preço altíssimo à sociedade”, afirma.

RELAÇÃO COM O SETOR ELÉTRICO

Os baixos volumes nos reservatórios e sua demanda frente à falta de combate ao desperdício não afetam somente o avanço da captação para abastecimento. O Brasil registrou em abril, e também de setembro ao mês passado –período que concentra mais chuvas– , o menor índice pluviométrico na área dos reservatórios das hidrelétricas do SIN (Sistema Interligado Nacional) de energia desde 1931.

Como a principal matriz energética do Brasil é hidráulica, o país optou por acionar todas as usinas termelétricas –mais caras e mais poluentes– que estiverem em condições de operar. Além disso, o Brasil importa energia da Argentina e do Uruguai desde outubro.

Em sua última reunião, o CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico) orientou pela “flexibilização das restrições hidráulicas” por conta da estiagem. Na prática, significa mais limitações ao uso da água para outras finalidades que não a geração elétrica. No dia seguinte, o governo federal emitiu um alerta de emergência hídrica para região da bacia do Rio Paraná, que abrange 5 Estados: Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná e se estenderá de julho a setembro de 2021.

Além disso, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) optou por adotar a bandeira vermelha 2 –a mais cara–como referência nas contas de energia elétrica de junho. O sistema é usado para gerir o valor cobrado aos consumidores a partir das condições de geração de energia elétrica. Conforme a disponibilidade de insumos para a produção, a bandeira pode ser alterada em uma escala de verde, amarela e vermelha, adotada quando há mais dificuldades.

Para Gesner Oliveira, sócio da Go Associados, “a redução de perdas deveria ser uma prioridade nessa nova era, cujo foco é o aumento da eficiência com ênfase em soluções ambientais. Vivemos incertezas cada vez maiores com o ciclo de chuvas e aumento de temperatura, então atacar as perdas é estratégico pra quem quiser chegar à universalização”, diz.

Previous Randolfe Rodrigues quer convocar presidente da CBF na CPI
Next Bolsonaro assina decreto sobre saneamento nos próximos dias, diz Marinho

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.