Brasil confirma mais 1.682 mortes de covid-19; total vai a 469.388


O Brasil tem pelo menos 16.803.472 casos e 469.388 mortes por covid nesta 5ª feira (03.jun.2021). O Ministério da Saúde registrou 83.391 diagnósticos e 1.682 vítimas a mais do que o confirmado no dia anterior.

O ministério também afirma que, do total de pessoas contaminadas, 15.228.983 milhões já estão recuperadas e 1.105.101 milhão estão em acompanhamento médico.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

MÉDIA DE MORTES E CASOS

A média móvel matiza variações abruptas, como o menor registro de ocorrências nos finais de semana, segundas-feiras e feriados. A curva é uma média do número de ocorrências confirmadas em 7 dias.

De acordo com o Ministério da Saúde, a média móvel de novas mortes no país é de 1.816, incluindo as desta 5ª feira (3.jun). Está abaixo de 2.000 há 3 semanas seguidas.

Já a curva de novos casos está em 65.901, de acordo com os números oficiais.

MORTES PROPORCIONAIS

O Brasil tem 2.200 mortes por milhão de habitantes. Todos os Estados têm mais de 1.000 mortes por milhão. Rondônia, Amazonas e Mato Grosso superam 3.000.

As taxas consideram o número de mortes confirmadas pelo Ministério da Saúde e a estimativa populacional do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para o ano de 2021 em cada unidade da Federação.

O Brasil ocupa a 9ª posição no ranking mundial de mortes proporcionais, de acordo com o painel Worldometer. A lista é liderada pelo Peru, com 5.538 mortes por milhão.

Na 2ª feira (31.mai), a presidente do Conselho de Ministros do Peru, Violeta Bermudez –a “número 2” do governo–, informou que o país revisaria o número de mortos por covid-19.

Com os novos dados, o país subiu ao 1º lugar do ranking mundial de mortes por milhão e agora registra 184.942 vítimas da pandemia. A mudança fez com que o Brasil, que estava na 8ª posição, caísse para a 9ª.

DATA DO REGISTRO DA MORTE X DIA REAL DA MORTE

Os registros de mortes não se referem a quando alguém morreu, mas ao dia em que o óbito por coronavírus foi informado ao Ministério da Saúde. Aos fins de semana, segundas-feiras e feriados, há menos registros não porque morrem menos pessoas, mas porque há menos menos funcionários das secretarias estaduais de saúde em reportar e, do Ministério da Saúde, em compilar os dados.

É comum que mortes confirmadas em um dia por um Estado acabem, por algum problema técnico, sendo reportadas ao governo federal apenas no dia seguinte.

Eis como funciona a notificação:

suponha que em 25 de agosto algum Estado confirme 300 mortes;e que, por um problema na plataforma que notifica os dados ou outra questão técnica, não consiga enviar as informações ao Ministério da Saúde;no dia seguinte, o mesmo Estado confirma 200 mortes;a Secretaria de Saúde enviará ao governo federal, em 26 de agosto, as mortes confirmadas naquela data (200) acrescidas do que deixou de enviar no dia anterior (300).a notificação de 500 mortes em 26 de agosto, portanto, não necessariamente corresponde aos óbitos que ocorreram ou foram confirmados naquele dia.

Os registros de mortes são divulgados diariamente, por volta das 18h, pelo Ministério da Saúde neste site e em imagens de tabelas enviadas pela pasta a jornalistas. Eis um exemplo, de 6 de março:

A data real da morte pode demorar até 9 meses para ser confirmada. Os números de óbitos divididos pelo dia em que de fato ocorreram é divulgado nos boletins epidemiológicos semanais do Ministério da Saúde.

É um número que é atualizado (e tende a aumentar para os dias mais recentes) a cada edição do boletim, já que depende da confirmação da data da morte. Muitas vezes a notificação das mortes pelas secretarias Estaduais chega sem a confirmação do dia exato em que ela ocorreu. Os boletins epidemiológicos são divulgados neste site. O Poder360 realiza reportagens frequentes com esses dados. Leia a mais recente aqui.

Previous Morre idoso com suspeita de fungo negro que estava internado com covid
Next Políticos reagem à decisão do Exército de não punir Pazuello

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.