Bolsonaro elogia Pazuello e Araújo por transferência de tecnologia de vacina


O presidente Jair Bolsonaro elogiou nesta 3ª feira (1º.jun.2021) o trabalho do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e do ex-chanceler Ernesto Araújo para possibilitar o acordo com a farmacêutica AstraZeneca. Em evento no Ministério da Saúde, o governo federal assinou contrato de transferência de tecnologia da vacina de Oxford/AstraZeneca. Por meio do acordo, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) poderá desenvolver os ingredientes para o imunizante.

Esses dois ex-ministros deixam marcado na história da saúde brasileira essa ação que possibilitou esse acordo de transferência de tecnologia”, disse em conversa com jornalistas depois do evento. Os dois ministros saíram do governo neste ano depois de serem alvo de críticas sobre a atuação durante a pandemia, principalmente nas negociações de vacinas contra a covid-19.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

Logo no início da cerimônia, Bolsonaro pediu aplausos para Pazuello. “Eu pediria também que aplaudissem o ex-ministro Pazuello, [foi na sua gestão] quando começou esse contrato”, disse. Depois, em seu discurso, cumprimentou o general e Ernesto Araújo por serem os “antecessores” nos ministérios da Saúde e Relações Exteriores e por possibilitarem o acordo.

Nesta 3ª feira, Pazuello foi nomeado como novo secretário de Estudos Estratégicos do governo e trabalhará no Palácio do Planalto. Questionado sobre a nomeação, Bolsonaro evitou responder e encerrou a conversa com a imprensa após o evento.

Tecnologia e vacina

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que o contrato assinado permitirá “avançar na autossuficiência e soberania produtiva da vacina“. Por meio dele, a Fiocruz poderá iniciar a produção de forma 100% nacionalizada da vacina. “Trata-se de mais um passo crucial para nos posicionar estrategicamente na luta contra a pandemia e para seguir nosso objetivo de reconstruir um Brasil melhor para todos os brasileiros“, disse o ministro.

Queiroga afirmou ainda que o compromisso do governo desde o início da pandemia é promover a saúde e manter a economia do país. “Deixando bem claro, o binômio saúde e economia é indissociável”, declarou. No evento, Bolsonaro também disse que o Brasil “tem um governo que se preocupa com a vida do próximo”. O chefe do Executivo considerou o acordo para compartilhamento de tecnologia um “grande passo“.

A Fiocruz fabrica a vacina em larga escala desde março, mas com o IFA importado. O imunizante foi desenvolvido pela Universidade de Oxford e é comercializado pela farmacêutica AstraZeneca. Produzida pela Fiocruz no Brasil, a vacina é a segunda mais aplicada na população, atrás apenas da Coronavac, da Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

Em maio, depois de vistoria no Instituto Bio-Manguinhos da Fiocruz, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) concedeu a certificação das condições técnico-operacionais das instalações que produzirão o IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo).

Copa América

O presidente confirmou no evento que recebeu respostas positivas de quatro governadores sobre sediar a Copa América. Nas redes sociais, o ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, também informou que o torneio ocorrerá em Brasília, Rio de Janeiro, Mato Grosso e Goiás.

Segundo Bolsonaro, um outro governador também teria se oferecido, mas o nome não foi revelado pelo presidente, que apenas citou ter recebido mais uma resposta com “atraso“. Os estados sedes, segundo Bolsonaro, foram acordadas com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e o ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos.

No evento, o presidente chegou a citar que um dos estados-sede seria o Mato Grosso do Sul. Depois, via redes sociais, o ministro Ramos esclareceu que se tratava do estado do Mato Grosso, onde fica a Arena Pantanal, na capital Cuiabá.

Com a colaboração do ministro-chefe da Casa Civil, escolhermos as sedes em comum acordo, obviamente, com os governadores. Agora já tivemos quatro governadores: aqui de Brasília, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Goiás e mais um agora chegou um pouco atrasado, vamos assim dizer, também se prontificando para sediar a Copa América“, declarou o presidente no evento.

Pelo que tudo indica, seguindo os mesmos protocolos, o Brasil sediará a Copa América. Parabéns ao Ministério da Saúde, aos ministros envolvidos, bem como a CBF“, afirmou Bolsonaro. Mais cedo, Bolsonaro já havia confirmado para apoiadores e em evento no Planalto a realização do evento esportivo no país.

 

 

 

Previous Bolsonaro comemora resultado do PIB: “Voltando ao ritmo pré-pandemia”
Next Congresso derruba veto e obriga governo a bancar internet nas escolas

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.