Bolsonaro afirma que deixará Yanomamis decidirem sobre mineração


O presidente Jair Bolsonaro afirmou que respeitará a vontade dos Yanomamis e que não regulamentará a exploração de recursos minerais em terras indígenas contra a vontade das tribos. A declaração foi feita durante a visita às terras Yanomamis na cidade de São Gabriel da cachoeira (AM), na 5ª feira (27.mai) e compartilhada nas redes sociais neste domingo (30.mai). Durante toda a visita o presidente não usou máscara.

Senhores Yanomamis, nós respeitamos vocês. A vontade de vocês será feita. Vocês não querem mineração? Não terá mineração. Tem outros irmãos índios em outros locais, dentro e fora da Amazônia que desejam minerar terra, desejam cultivar a terra e nós vamos respeitar esses direitos deles”, disse o presidente.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

O presidente fez referência ao projeto de lei de autoria do Poder Executivo que regulamenta a exploração de recursos minerais em terras indígenas para produção de energia elétrica.

Jamais aprovaríamos uma lei em que seria obrigado que a terra fosse explorada com quem quer que seja. Isso jamais acontecerá. Quem quiser explorar explora, quem não deseja não vai explorar. Vocês serão respeitados. Vamos intensificar a fiscalização dos recursos da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), o dinheiro da saúde indígena vamos fiscalizar de modo que ele seja aplicado realmente na saúde de vocês”, disse Bolsonaro.

Assista ao vídeo publicado pelo presidente Jair Bolsonaro (3min52s):

 

A comunidade Palimiú, no interior da Terra Indígena Yanomami, em Roraima, registrou ataques de garimpeiros contra indígenas no início do mês de maio. Líderes indígenas  afirmaram que duas crianças Yanomami, de 1 e 5 anos, teriam sido encontradas mortas na comunidade depois do ataque armado. A Justiça Federal determinou que a União mantenha efetivo armado de forma permanente no local para garantir a segurança dos indígenas e evitar novos conflitos na região. O pedido foi feito pelo MPF (Ministério Público Federal).

Os conflitos não foram citados pelo presidente Jair Bolsonaro.

 

Previous Cidades japonesas desistem de sediar campos de treino olímpico
Next Fazer mais, melhor e diferente em 2021

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.