Agência Nacional de Águas declara situação hídrica “crítica” em 5 estados


Atendendo a um pedido do CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico), a ANA (Agência Nacional de Águas) declarou nessa 3ª feira (1º.jun.2021) situação hídrica crítica na bacia do Rio Paraná, que abrange parte dos territórios de 5 estados – Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná.

A ANA poderá definir condições transitórias para a operação de reservatórios ou sistemas hídricos específicos, podendo alterar temporariamente condições definidas em outorgas de direito de uso de recursos hídricos. A agência também criará um grupo técnico de assessoramento para monitorar a situação da região hidrográfica do Paraná.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

No dia 28 de maio, o governo federal emitiu um alerta de emergência hídrica onde estão os principais reservatórios de regularização do país. Em períodos secos, os estoques dessas usinas são otimizados para garantir o fornecimento de energia. Mas a região enfrenta escassez de chuvas.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou ao Poder360 que o país enfrenta “a maior crise [hídrica] desde 1931”. Ele responsabiliza uma medida do governo Dilma (MP 579/2012) pela situação. O almirante afirmou que a legislação atual –proposta pelo governo federal em 2012– não considera gastos além do operacional para geração de energia elétrica.

Nessa 3ª feira (1º.jun), o ministro disse que a atual crise hídrica não tem relação com o apagão em regiões do país. Em entrevista à CNN, ele reiterou que não há possibilidade de racionamento de energia.

O governo federal acionou, no início de maio, todas as usinas térmicas do país para evitar o racionamento de energia. Também montou uma sala de situação para monitorar as condições hidrológicas e o baixo volume nos reservatórios das hidrelétricas do país.

IMPACTO PARA O CONSUMIDOR

A tarifa vermelha 1 foi adotada para as contas de luz de maio. A mudança soma R$ 4,16 para cada 100 quilowatts-hora consumidos.

Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) declarou ao Poder360, no início do mês, não fazer previsões sobre acionamentos futuros. Disse, porém, que outros encargos sobre a conta podem ser afetados. “A situação hídrica afeta também a previsão do Risco Hidrológico, se a situação piora, a previsão do custo aumenta”, afirmou.

Previous Nuno Santana substitui Miguel Osório na administração da Media Capital
Next Ex-secretário da Receita diz que reforma pode piorar sistema tributário

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.