Resgatar a dignidade, acolher e humanizar quebrando tabus, paradigmas e preconceitos. São alguns dos objetivos propostos pelo Projeto “SensibilizArte”, que há três anos atua nas tardes de domingos no Hospital Universitário Clemente de Faria (HUCF), vinculado à Unimontes. Na última experiência, o trabalho esteve concentrado para pacientes da ala da Psiquiatria, que foram surpreendidos com o plantio de mudas de flores ornamentais e frutíferas.

“Já desenvolvemos atividades de “palhaçoterapia”, musicoterapia, contação de histórias e artesanato na Pediatria e na Clínica Médica. E resolvemos estender para a Psiquiatria, com a finalidade de quebrar preconceitos e trabalhar a humanização com os pacientes”, destacou Maria Cecília Schmidt, que cuida da capacitação da frente de Artes Visuais da Unimontes e do Projeto “SensibilizArte”.

 

Projeto de plantio de flores e mudas frutíferas inclui oficinas de caracterização de baldes em oficinas de arte (Fotos: Wesley Gonçalves/Ascom HUCF)

Professores e voluntários do projeto fazem os atendimentos aos domingos

Pacientes da Psiquiatria durante o plantio das primeiras mudas

 

Maria Cecília conta que todo o material usado para plantar as mudas foi doado, mas pede a colaboração da sociedade para continuar o projeto na Psiquiatria e outros setores do HUCF.

“Ensinamos os pacientes a customizar os baldes com flores, que nos foram doados. Para os pacientes, o simples ato de plantar, o contato com a terra ajuda a trabalhar a socialização, pois cada um é responsável pela muda de flor artesanal que plantou e todos são responsáveis pela plantas frutíferas – maracujá de quilo, limão, acerola e pitanga”, destaca Marília Cecília.

“É gratificante ver nos olhos deles o interesse em participar e interagir com a gente”, completou, ao formalizar o agradecimento à Padaria Marrom Glacê e à Floricultura Aramita que doaram os materiais.

 

O QUE É

O “SensibilizArte” é desenvolvido por acadêmicos do curso de Medicina dos 3º, 4º, 5º e 10º períodos da Unimontes. Pâmela Oliveira Cunha, é voluntária há dois anos no projeto e destaca a experiência como alívio para as tensões provocadas pelas rotinas de estudo no curso.

“Medicina é um curso muito puxado e na correria do dia a dia gente acaba, muitas vezes, se esquecendo de algo bem importante: cuidar do outro. Através do “SensibilizArte”, a gente aprende sobre valores como a humanização, o respeito e o cuidar do próximo. Sempre digo que ganhamos muito com os pacientes, como respeito, amor, gratidão. Acabamos tocando a vida de alguém, assim como também somos tocados por lindas histórias para contar através das artes”, disse a acadêmica.

Para o professor Pedro Paulo Narciso de Avelar, médico e coordenador da psiquiatria do HU, são fundamentais as ações como o projeto “SensibilizArte” para devolver a dignidade humana. “É uma troca de experiência. Os acadêmicos aprendem muito com os pacientes e eles ganham com o contato humano. São vivências, histórias, além de quebrar preconceitos e aproximar as pessoas. É preciso entender que não devemos distanciar os pacientes da Psiquiatria da sociedade. Pelo contrário, devemos acolher e interagir com eles. Sinto falta de programas sociais de inclusão na sociedade que trabalhem o resgate e a dignidade destas pessoas”, finalizou o psiquiatra.

 

AJUDA

“O projeto “SensibilizArte” precisa da ajuda da sociedade para continuar assistindo aos pacientes internados na Clínica Médica, Pediatria e Psiquiatria. Toda doação é bem-vinda. “Precisamos de terra preta, plantas ornamentais, frutíferas, baldes grandes de manteiga, tesouras sem ponta, cola, kit de arte como giz de cera, lápis de cor, telas, pinceis, PVA adesivado e brinquedos. Em nossas páginas nas redes sociais é possível fazer contato e saber mais sobre o nosso projeto”, destacou Maria Cecília Schmidt.

Outras informações ou ajuda ao projeto podem feitas pelos telefones (38) 99195-1061 (Maria Cecília); 99112-0441 (Leonardo) ou 98828-1080 (Pâmela).