A Santa Casa de Montes Claros trabalha com o propósito de humanização acreditando que o paciente não busca apenas a solução de um problema de saúde, mas também o acolhimento humanizado e uma assistência de excelência. Na maternidade a humanização é primordial durante a pré e pós gestação, principalmente quando é detectada uma má-formação ou o falecimento do feto.

 

Atualmente, no maior hospital do Norte de Minas, com o trabalho da Medicina Fetal é possível fazer o rastreamento precoce de doenças maternas e propor medidas de prevenção e tratamento, assim como realizar os métodos de avaliação do feto, fornecendo informações seguras e precisas, o que proporciona segurança física e psicológica a mãe, filho e a nova família que está se formando.

 

“A medicina fetal veio para dar suporte para mãe em relação as más formações do feto e principalmente tentar melhorar a qualidade de vida dele depois do nascimento. Nós orientamos a onde o bebê deve nascer e qual a via de parto recomendada de acordo com a patologia que é identificada. Com toda essa análise nós conseguimos melhorar o momento do nascimento”, explica a ginecologista obstetra da Santa Casa de Montes Claros, Rosângela Lopes Miranda Rodrigues.

 

A doutora em saúde da mulher destaca a importância do trabalho multidisciplinar e principalmente do acompanhamento psicológico realizado com as gestantes. “Um dos grandes destaques do nosso trabalho é o acompanhamento psicológico. Afinal, não é fácil saber que está gestando um bebê mal formado, que depois do parto a chance de sobrevida é pequena e muitas vezes com sequelas importantes. As pacientes precisam ser assistidas de forma completa”, destaca Rosângela Rodrigues.