Texto: Ascom/MOC VÔLEI

Fotos: July Stanzioni/Corinthians-Guarulhos

 

MONTES CLAROS VÔLEI e Corinthians/Guarulhos se enfrentaram na manhã deste sábado (04.11) no ginásio da Ponte Grande, em Guarulhos/SP. O jogo entre essas duas equipes até então com 1 vitória e duas derrotas para cada lado na Superliga Masculina de Vôlei foi como esperado: bastante equilíbrio, falhas na recepção e no passe, erros no saque, desatenção e detalhes marcaram essa partida válida pela quarta rodada do turno.

O duelo foi muito equilibrado e só foi decidido no tie-break com parciais de 17/25, 25/17, 21/25, 25/22 e 15/10 em 2h15min de partida. Com isso Corinthians leva 2 pontos e o Pequi Atômico leva 1 ponto. Com isso, os mandantes subiram para a 8ª colocação e o MOC VÔLEI caiu para a 9ª Colocação na tabela.

 

O jogo

O primeiro set foi do MOC VÔLEI que soube aproveitar bem as falhas dos adversários, com erros no passe e com um saque forte, a equipe visitante impôs seu ritmo na virada de bola.

Os visitantes estavam decididos a levar o set e não desperdiçaram as oportunidades e a regularidade na linha de passe, bem como nos contra-ataques, impuseram o ritmo no set.

No final, Guarulhos tentou uma reação, mas o MOC VÔLEI não deu chances para o adversário e fechou em 25/17. O ponteiro Lisandro Zanotti foi o maior pontuador do set e converteu 6 pontos para os visitantes.

O segundo set foi dominado pelos donos da casa. A linha de passe do Pequi Atômico não ajudou e o Corinthians abriu 4 a 0, obrigando o técnico interino Sérgio Luís Cunha a pedir tempo.

O time norte-mineiro voltou a parar o jogo e tentar resolver o passe, mas o time paulista continuou a abrir o placar. Pelo lado do MOC VÔLEI, o ponteiro Vivalde foi o maior pontuador com 5 bolas convertidas. No final do set, os donos da casa souberam aproveitar melhor as oportunidades e os erros dos visitantes e devolveram o placar em 25/17.

Parecia até a repetição do segundo set, mas desta vez, quem abriu 4 a 0 foi o MONTES CLAROS VÔLEI que impôs um saque balanceado, que complicou a linha de passe do Corinthians. As duas equipes erraram muito na recepção e o jogo teve um grande rally de 25 segundos, muito raro no masculino.

A falta de tranquilidade na virada de bola do Pequi Atômico permitiu a reação do Corinthians que empatou em 12 a 12, depois de três erros de contra-ataque. O central Dianini entrou no lugar do cubano Mesa, em uma substituição simples.

Depois de um bloqueio do Corinthians em cima do Oposto Lorena, os donos da casa viraram o placar, obrigando Sérgio Cunha a pedir tempo em 13/12. MONTES CLAROS VÔLEI assimilou as orientações do seu técnico, empatou o jogo, virou e abriu dois pontos.

Desta vez, o técnico do Corinthians Alexandre Stanzioni, parou o jogo para tentar arrumar a casa. Mas, os norte-mineiros estavam dispostos a levar o set e na inversão do 5-1 (quando inverte o rodízio para ter três atacantes na rede e o levantador atrás), o MOC VÔLEI com um saque do levantador reserva Cristiano que quebrou o passe o adversário, fechou em 21/25. O jogador Zanotti foi o maior pontuador 6 bolas convertidas no terceiro set.

O quarto set começou bem equilibrado com as duas equipes variando o saque e com erros na recepção. Mas, o Corinthians não estava disposto a deixar os adversários fechar o set e a partida e conseguiu abrir dois pontos. Porém, o MOC VÔLEI mostrou poder de reação e com dois pontos seguidos encostou, obrigando o técnico Stanzioni a pedir tempo em 12/11.

Ponto a ponto, as duas equipes foram levando o jogo e quando o placar estava com 15/13, o preparador físico Gabriel Azzi levou um cartão vermelho. Na confusão, o MOC VÔLEI se desconcentrou e o Corinthians abriu em 17/13.

Com as reclamações a desconcentração dos visitantes, os donos da casa abriram em 19/14, e o Sérgio Cunha pediu tempo para chamar a atenção dos jogadores. MOC VÔLEI até tentou uma reação e encostou, mas não conseguiu virar e o Corinthians fechou o set em 25/22. Lisandro Zanotti outra vez foi o maior pontuador com 4 pontos convertidos para o Pequi Atômico.

O quinto set era tudo ou nada para as duas equipes e com um erro na recepção do ponteiro Vivalde, os mandantes abriram 1/0, mas o jogo foi muito equilibrado com erros de toque na rede do Corinthians, MOC VÔLEI não deixou os adversários abrirem no placar e o jogo continuou empatado até o cubano Mesa com um saque balanceado, virou o placar em 5/4. Erros no saque e uma invasão do oposto Alemão fizeeram os donos da casa voltar a comandar o placar. 9/7 e MOC VÔLEI pediu tempo para arrumar a casa, mas os mandantes não estavam dispostos a perder em casa. O placar apontava 12/7 quando Sérgio Cunha pediu novo tempo para tentar uma reação e no erro no saque do ponteiro Vivalde, o Corinthians fechou o set em 15/10.

 

Próximo adversário

O próximo jogo do Pequi Atômico é em casa, na quarta-feira (08.11), às 20 horas, contra o Vôlei Renata/Campinas. Os ingressos antecipados custam R$ 5,00 e já estão à venda na loja da Líder Notebooks do Montes Claros Shopping e na Matriz da Drogaria Minas Brasil.

Também podem ser adquiridos na portaria do Ginásio Tancredo Neves, duas horas antes da partida, porém o valor será de 10 reais (inteira) e 5 reais (meia). Outras informações, ligue: (38) 3224-5469 ou em nosso site: www.montesclarosvolei.com.br

 

Sócio Torcedor

Para os apaixonados pelo voleibol e pelo MOC VÔLEI, a diretoria facilitou ainda mais para quem deseja ter o Cartão Fidelidade Sócio Torcedor. Agora, ele pode ser adquirido em até 6 parcelas de R$ 20,00 no carnê ou cartão de crédito.

Com ele, os torcedores do Pequi Atômico terão acesso diferenciado ao ginásio Tancredo Neves nos dias dos jogos, além de participar de sorteios e brindes exclusivos da equipe.

Para adquirir um Cartão Fidelidade Sócio Torcedor, basta procurar o escritório do MONTES CLAROS VÔLEI, dentro do Montes Claros Shopping, ao lado da Loja C&A. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone: (38) 3224-5469.

 

Patrocínio

O projeto MONTES CLAROS VÔLEI conta com patrocínio da Cemig, Tambasa, Vilma, Master, Somai, Dubai Suítes, Solares, Unimed, TMOVE, e com o incentivo através do Minas Esportiva Incentivo ao Esporte, da Secretaria de Estado de Esportes de Minas Gerais e Governo de Minas Gerais, além da Lei Federal de Incentivo ao Esporte e Ministério do Esporte.

 

 

—-

Jornalista Wesley Gonçalves
Assessoria e Comunicação
JPMG/8874