O Banco do Nordeste divulgou a lista dos finalistas do Prêmio Banco do Nordeste de Jornalismo em Desenvolvimento Regional/Edição 2019.  Um dos finalistas é o jornalista norte-mineiro Luiz Ribeiro, do Jornal Estado de Minas com a série de reportagens “ Microcrédito, novo fôlego para o empreendedor e redenção nas pequenas cidades”.

O anúncio dos vencedores  Premio BNB será feito na próxima sexta-feira, em Fortaleza, na sede da instituição,  durante a programação do XXV Fórum Banco do Nordeste de Desenvolvimento, que tem como tema ‘Nordeste: Empreendedorismo e Inovação’.
O concurso recebeu 284 inscrições de trabalhos veiculados nas diferentes mídias (TV, radio, internet e mídia impressa), para  a premiações nas categorias nacional, extrarregional (fora da área do BNB) e prêmios estaduais e universitário. Também será anunciado o vencedor do Grande Premio Nacional, para o qual concorrem trabalhos que abordam o tema  “Microcrédito urbano como ferramenta de desenvolvimento econômico e social”.  Ao todo serão distribuídos R$ 234 mil em prêmios.
O Premio BNB de Jornalismo por objetivo potencializar a visibilidade de ações capazes de promover o desenvolvimento regional, com sustentabilidade. Desta forma, são premiados trabalhos jornalísticos que apresentam iniciativas de promoção ao desenvolvimento regional realizadas no Nordeste, norte de Minas Gerais e do Espírito Santo de diferentes perspectivas: econômica, turística, educacional, cultural e ambiental.
A série  “Microcrédito, novo fôlego para o empreendedor e redenção nas pequenas cidades” foi publicada no período de 24 de maço a 29 de abril.  Nas reportagens (sete ao todo), o repórter Luiz Ribeiro contou as histórias de empreendedores que tiveram a vida transformada a partir da politica de crédito com viés social, que libera financiamentos em valores que variam de R$ 100,00 a R$ 21 mil, a juros baixos, obtidos sem burocracia e exigências fomentais. O microcrédito já atendeu mais de 3,3 milhões de brasileiros, dos quais cerca de 70% mulheres, com 75% investindo no comércio.
O trabalho jornalístico também mostrou que neste ano, mais brasileiros ganharam a chanche de montarem pequenos negócios com a regulamentação pelo Banco Central da  Lei 13.636 do Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado (PNMPO). Além dos números do Banco do Nordeste, que responde por 62% do microcrédito no país, com 2,065 microempreendedores atendidos, foi abordada atuação de outras instituições como o Banco do Brasil, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Santander.
A série de reportagens finalista do Premio BNB de Jornnalismo teve como foco a  influencia direta da politica de microcrédito na geração de emprego e renda dos  municípios do Norte de Minas  que sofrem com a seca. Além de donos de pequenos negócios em Montes Claros, foram  contadas histórias de o crescimento de  empreendedores de outras cidades da região como Francisco Sá, Salinas, Januária e Japonvar. Nestas duas últimas, o destaque é o pequi.  As novas tecnologias de aproveitamento e produção de derivados do pequi fazem com que riqueza do fruto símbolo do cerrado não limite mais ao ´período de safra (dezembro a fevereiro), mas tenha se estendido ao resto do ano. Os pequenos empréstimos fomentam a “indústria do pequi”.
Natural de Francisco Sá, Luiz Ribeiro mostra em Monte Claros desde a infância. O repórter norte-mineiro já conquistou 52 premiações em concursos de jornalismo regionais e nacionais. Ele figura na posição 25 no ranking dos Jornalistas Brasileiros Mais Premiados de

Todos os Tempos, elaborado a partir de pesquisa do  portal Jornalistas & Cia.