O mês de setembro já está consagrado como o período em que as atenções se voltam para o alerta sobre os sinais e sintomas do câncer infantojuvenil. Trata-se da campanha Setembro Dourado, uma iniciativa da Confederação Nacional das Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer – CONIACC, entidade que congrega 53 instituições espalhadas por todo o País, dentre elas, a Fundação Sara, em Montes Claros.

 

Um dos objetivos da campanha é alertar para o diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil, doença que, de acordo a Dra. Sabrina Eleutério –Oncologia Pediátrica da Fundação Sara – apesar de rara se comparada ao adulto, adquire sua importância no que se refere à taxa de mortalidade: é a primeira causa de morte, por doença, na faixa etária entre 01 e 18 anos.

A taxa de cura no Brasil, segundo a Sociedade Brasileira e Oncologia Pediátrica – SOBOPE, é aquém do almejado. Um dos fatores que contribuem para isso é o diagnóstico tardio. “Uma criança, quando tem a doença diagnosticada precocemente e tratada em centros especializados, além de ter grandes chances de cura, terá menos sequelas e mais qualidade de vida”, alerta a médica.

Para tanto, a família deve ficar atenta aos sinais e sintomas, que são comuns aos de outras doenças da infância, por isso, podem ser confundidos com outras doenças, motivo para redobrar o cuidado. Sabrina Eleutério chama a atenção para características como palidez progressiva, dor óssea, nas articulações, inchaço que provocam dificuldades de andar, manchas roxas ou sangramentos em locais que não são de traumas – principalmente nos membros inferiores e superiores, febre prolongada que deixa a criança em condições apáticas.

“É fundamental também a família ficar alerta a dores de cabeça diárias matutinas acompanhadas de vômito, alterações no equilíbrio, na visão, no andar, presença de ínguas frequentes. Diante desses sintomas é importante que a criança seja avaliada por um médico”, alerta.

A família deve também prestar atenção a sintomas que não existiam antes, como convulsões, alterações nos olhos, como estrabismo, e tumores nas pernas e nos braços. Além disso, perda de peso importante sem explicação tem que ser investigada, assim como o comportamento da criança que deixa de brincar e só quer ficar deitada. “Esses são sinais e sintomas que podem ser câncer ou outra doença comum da infância. O mais importante é sempre procurar um médico quando perceber que há sinais e sintomas que persistem”, esclarece Sabrina Eleutério.

 

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que ocorrerão cerca de 12.600 casos novos de câncer em crianças e adolescentes no país por ano em 2017. Em torno de 80% das crianças e adolescentes acometidos de câncer podem ser curados se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados.

 

Ações da Fundação Sara durante o mês de Setembro

A largada oficial da campanha, em Montes Claros, aconteceu junto ao Circuito Sesi de Corrida de Rua, na manhã do último domingo, com presença de mais de mil inscritos para a competição e centenas de famílias que foram ao local participar da programação de conscientização e entretenimento. Parte do valor das inscrições foi destinada à Fundação Sara.

Outro evento acontecerá no dia 24 de setembro, domingo, com uma Noite Dourada, regada com boa música e o melhor da comida regional. O objetivo é captar recursos para a manutenção da entidade, que atende em média 170 crianças e adolescentes com câncer por mês. O evento acontecerá no Vila 61 Casa Bar. Para participar e contribuir, basta fazer reserva de mesa no local do evento ou na Fundação Sara, e ainda pelos contatos 3214-5500/ 99105-7035.

Outra ação da entidade durante o Setembro Dourado é a intensificação da conscientização sobre câncer infantojuvenil, por isso, está disponibilizando, gratuitamente, ao público geral, cinco palestras, ministradas por diferentes profissionais:

  • Sinais e Sintomas: pode ser câncer infantojuvenil;
  • A escola e o aluno com câncer: o conhecimento é um instrumento de cura;
  • O poder da alimentação no tratamento do câncer e na melhoria da qualidade de vida;
  • Terceiro Setor e Responsabilidade Social;
  • Direitos da criança e do adolescente com câncer.

 

Para solicitar palestras, basta entrar em contado com a Fundação Sara, pelo telefone 3214-5500 ou pelo e-mail conhecimentoesaude@fundacaosara.org.br.

 

Sobre a Fundação Sara Albuquerque

 

A Fundação Sara nasceu da convivência que os pais da pequena Sara tiveram com a dor e a esperança durante a sua doença, entre 1996 e 1997. O alto custo do transplante de medula fez com que a família, amigos e colegas lançassem uma campanha para arrecadação de recursos. A pequena Sara acabou falecendo antes do transplante, em novembro de 1997. Com parte do dinheiro arrecadado ainda em mãos, os pais da menina decidiram usar os recursos para auxiliar famílias que passavam pela mesma dificuldade. Dessa forma, há 19 anos foi instituída, em Montes Claros, a Fundação Sara Albuquerque Costa para receber e assistir crianças e adolescentes com câncer e seus acompanhantes. Para expandir os serviços de assistência em todo o estado de Minas Gerais, inaugurou-se, em julho de 2010, uma unidade em Belo Horizonte.

 

Além de ser uma casa de apoio para quem vem de outros municípios, ou até mesmo de outros estados, em busca de tratamento em Montes Claros, a entidade atua na promoção de conhecimentos, por meio do Centro de Estudos Sara Albuquerque Costa – CESAC, com objetivo de capacitar os profissionais da saúde e alertar pais, professores e todos que convivem com crianças e adolescentes para que estejam alertas a qualquer alteração persistente na saúde dessas crianças e adolescentes.

 

Outro compromisso da entidade é na contribuição na melhoria do tratamento nos hospitais. Para o presidente da Fundação Sara, Álvaro Gaspar Costa, que perdeu a filha de quatro anos com uma leucemia grave, seu desejo é ver Montes Claros se destacando na cura do câncer infantojuvenil, como acontece em grandes centros de referência no Brasil e no mundo. “Não adianta apenas diagnosticar precocemente, oferecer assistência para as famílias e investir na qualificação de profissionais. Se o tratamento não for de qualidade, tudo isso que construímos antes perde o sentido”, destaca.  Acesse www.fundacaosara.org.br  e saiba mais sobre a entidade